Tóquio 2020: Brasil lançado para o êxito nos Jogos Paralímpicos

No dia 6 em Tóquio 2020 o atletismo contribuiu com quatro medalhas e os títulos de Beth Gomes e Claudiney Batista dos Santos no lançamento de disco. Brasil segura a sexta colocação no medalheiro dos Jogos Paralímpicos e chega nas 99 medalhas de ouro em todas as participações.

Gonçalo Moreira
Foto: Miriam Jeske/CPB

Segunda-feira, dia 30 de agosto, foi o dia dos lançadores brasileiros em Tóquio 2020. As duas medalhas de ouro conquistadas chegaram na mesma disciplina: o lançamento de disco.

Elizabeth Gomes (classe F53) não só quis ganhar, como o fez com estilo, quebrando por duas vezes o recorde mundial – primeiro lançando 17,33m e encerrando o concurso com 17,62m. A atleta que tinha ficado fora da Rio 2016 e que em Beijing 2008 participou no basquete em cadeira de rodas, sai dos Jogos de Tóquio 2020 campeã Paralímpica.

O outro herói da jornada do atletismo foi Claudiney Batista dos Santos, que consolidou o estatuto de favorito vencendo o evento para a classe F56 com quatro lançamentos que dariam o ouro, mas fazendo questão de se afastar dos rivais colocando o disco a 45,59m de distância do local do lançamento – novo recorde Paralímpico! O mineiro já era recordista mundial e Paralímpico pelo que superou seu registo e defendeu o título da Rio 2016 (conquistado com 45,33m) no lançamento de disco.

Também houve prata para os outros atletas em ação no estádio Olímpico de Tóquio. Por exemplo, Vinícius Rodrigues ficou a 0,01 do ouro na final dos 100m (classe T63), correndo em 12,05s e cravando o recorde Paralimpico da categoria. Já Alessandro da Silva garantiu a 2ª colocação no arremesso de peso (classe F11) com a marca de 13,89m e uma clara melhoria face ao 10º posto na Rio 2016.

Nota ainda para as classificatórias dos 100m femininos e para os 1500m masculinos, ambos na classe T11. Na velocidade as brasileiras fizeram três dos quatro melhores tempos que classificaram para as semifinais, aspirando a repetir a tripla no pódio que o Brasil fez em Londres 2012 liderados por Terezinha Guilhermina. Thalita Simplício foi a mais rápida com 12,38s, seguida pela recordista mundial Jerusa dos Santos com 12,41s enquanto Lorena Spoladore foi a quarta mais rápida com 12,48s. No meio fundo Yeltsin Jacques foi o mais rápido nas classificatórias dos 1500m (4:07.34s) e está no bom caminho para repetir o ouro que já venceu nos 5000m em Tóquio 2020.

Do atletismo para o tênis de mesa, onde Bruna Alexandre foi o nome próprio do dia. A atleta que compete na classe 10 jogou a final e perdeu por 3-1 (13-11, 6-11, 11-7, 11-9) para Yang Qian (Austrália), mas ficou com uma medalha de prata que é a sua terceira medalha Paralímpica na carreira.

Vinícius Rodrigues correndo a final dos 100m nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 onde foi medalha de prata
Foto: Wander Roberto/CPB

Futebol de cinco continua invicto

O Brasil já garantiu a presença na semifinal do futebol de cinco com vitória por 4-0 sobre o Japão. Seleção masculina segue sua marcha triunfal e chega ao 24º jogo em Jogos Paralímpicos com 18 vitórias e sofrendo apenas quatro gols em todas as participações. O futebol de cinco continua invicto, soma a segunda vitória em Tóquio 2020 e terá o último encontro da fase de grupos contra a França na noite de segunda-feira, dia 30, às 23h30 (horário de Brasília).

No goalball a seleção feminina também venceu o Egito por 11-1 com oito gols de Jéssica Gomes, fechando a primeira fase no 4º lugar do grupo D e avançado para as quartas de final após perder com os EUA por 6-4, empatar com o Japão 4-4 e perder com a Turquia por 8-4.

Fique por dentro de toda a ação dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 e recorde os melhores momentos dos atletas brasileiros no Dia 1, do Dia 2, do Dia 3, do Dia 4 e do Dia 5.

Brasil classificado para as quartas de final no torneio de goalball. Ação dos Jogos Paralímpicos acontece no Makuhari Messe Hall
Foto: Ale Cabral/CPB

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual