Tóquio 2020: Petrúcio Ferreira dos Santos voa para o ouro e o recorde Paralímpico

No dia 3 em Tóquio 2020 não houve medalha para Daniel Dias, mas Wendell Belarmino levou o ouro nos 50m livre na natação. Atletismo começou forte com vários títulos e um recorde Paralímpico, com Petrúcio Ferreira dos Santos dominando os 100m rasos.No arremesso de peso Wallace Santos levou o ouro com recorde mundial.

Gonçalo Moreira
Foto: Carmen Mandato/Getty Images

O atletismo também começou forte em Tóquio 2020. A final dos 100m para a classe T47 era uma das provas mais aguardadas da sessão e com três brasileiros presentes a chance de medalha era grande, até pelos tempos das baterias classificatórias: Petrúcio Ferreira chegou fez 10,75s, Washington Junior 10,64s e Lucas Limas 11,07s.

O velocista de São José do Brejo (PB) – Paralímpico mais rápido do mundo após fazer 10,42s na semifinal dos 100m no Campeonato do Mundo de 2019 – confirmou o favoritismo e venceu o evento cravando um novo recorde Paralímpico: 10,53s! A cereja no topo do bolo chegou com a medalha de bronze de Washington Junior é bronze (10,68s), enquanto o estreante em Jogos Paralímpicos, Lucas Lima, terminou na 6ª colocação com 11,14s.

As medalhas do primeiro dia do atletismo em Tóquio 2020 não foram obtidas apenas no sprint. Yeltsin Jacques venceu os 5000m (classe T11, para cegos) e Silvânia Costa também saiu campeã no salto em distância na mesma classe. Curiosamente ambos atletas são do Mato Grosso do Sul; Yeltsin Jacques correu em 15:13.62 batendo os japoneses Kenya Karasawa e Shinya Wada e vai se concentrar agora nos 1500m onde é campeão Parapan-Americano; já a saltadora Silvânia Costa fez 5,0m no quinto salto e viu a companheira Lorena Spoladore ficar no 4º lugar.

As provas de campo tiveram um rendimento excepcional para o time de atletismo do Brasil. No arremesso de peso Wallace Santos dominou a classe F55 (para cadeirantes) cravando recorde mundial com a marca de 12,63m na sexta tentativa, isto depois de na quarta já ter feito 12,46m e melhorado o recorde Paralímpico. Também houve medalha na classe F37 (atletas com paralisia cerebral) com João Victor Silva arremessando o peso a 14,45m para vencer o bronze. Na mesma prova, Emanoel de Oliveira foi 7º.

Clique aqui para conferir toda a programação do atletismo Paralímpico em Tóquio 2020.

Petrúcio Ferreira dos Santos e Washington Junior dançam após vencerem ouro e bronze nos 100m rasos em Tóquio 2020
Foto: Wander Roberto/CPB

Natação chega às nove medalhas em Tóquio 2020

A natação não para de dar medalhas ao Brasil nos Jogos Paralímpicos. A terceira jornada no Centro Aquático de Tóquio 2020 voltou a ter chuva de medalhas para a seleção brasileira.

O ouro chegou por Wendell Belarmino em 50m livre (classe S11) em 26,03s. A prata ficou por conta de Gabriel Bandeira nos 200m livre (classe S14) – nadador que deu o primeiro ouro ao Brasil em Tóquio 2020 conquistando os 100m borboleta (classe S14) com recorde Paralímpico (54,76s). Faltava o bronze, que foi oferecido à delegação por Maria Carolina Santiago na final de 100m costas (classe S12).

Quanto ao melhor nadador Paralímpico da história, com 27 medalhas conquistadas, Daniel Dias foi 6º em 50m borboleta (classe S5) e voltará à piscina na próxima semana para tentar medalhas em 50m costas (segunda-feira) e 50m livre (quarta-feira).

A performance dos nadadores tem sido excelente nos três primeiros dias de Jogos Paralímpicos. A natação chega às nove medalhas em Tóquio 2020, com a promessa de mais conquistas até ao dia 3 de setembro, quando o esporte entregará a última medalha no Japão. Clique aqui para conferir toda a programação da natação Paralímpica em Tóquio 2020.

Wendell Belarmino após vencer os 50m livre (classe S11) no dia 3 dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020
Foto: Adam Pretty/Getty Images

Goalball feminino somou o primeiro ponto

Boas notícias também no goalball. A seleção brasileira entrou em falso no torneio Paralímpico perdendo com os EUA por 6-4, mas na segunda rodada do grupo D o goalball feminino somou o primeiro ponto.

O 4-4 contra o Japão foi conseguido no limite, com o Brasil correndo sempre atrás do placar e estando com 4-1 no segundo tempo. A canarinha mostrou outra cara no final da partida e fez o empate com dois gols de Ana Carolina e mais dois de Victoria Amorim.

O Brasil continua na briga pelas quartas de final – onde estarão as quatro primeiras seleções de cada grupo – e vai jogar contra a campeã Paralímpica, a Turquia, no dia 29, às 8:30 (horário de Brasília), fechando a fase de grupos no dia 30, às 22h30 (horário de Brasília) frente ao Egito.

Quanto à seleção masculina de goalball, os campeões mundiais fecharam o dia no Makuhari Messe Hall vencendo a Argélia por 10-4 com cinco gols de Leomon Moreno – eleito o melhor Paralímpico do Brasil em 2014 – e quatro de Josemarcio Sousa. O resultado permite ao Brasil encarar com maior tranquilidade o duelo contra o Japão no dia 28, às 21:00 (horário de Brasília).

Não fique por fora de toda a ação dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 e recorde os melhores momentos dos atletas brasileiros no Dia 1 e do Dia 2.

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual