Estamos Juntos Nessa: como saltadores de esqui japoneses fizeram equipe de ouro uma realidade

Em Nagano 1998, Japão ganhou o ouro no salto de esqui por equipes e 25 heróis desconhecidos fizeram isso possível. Esta é a história deles. 

Shintaro Kano
Foto: Bongarts

A história é contada uma vez a cada quarto anos no Japão sem falta, como um conto popular passado de geração em geração.

Ela diz o seguinte:

Nos Jogos Olímpicos de Inverno Lillehammer 1994, a equipe japonesa de saltadores de esqui ficou a beira de uma medalha de ouro.

Indo para a última fase, com o campeão mundial Harada Masahiko esperando na colina, o Japão tinha uma vantagem confortável sobre a Alemanha. Parecia um negócio feito.

Mas Jens Weissflog deu um grande salto que fez com que os alemães aumentassem a pressão sobre Harada.

Harada então de repente caiu quando ele não conseguiu sequer alcançar o ponto crítico e o Japão teve que se contentar com a prata.

Harada Masahiko depois de quase ter vencido em Lillehammer 1994.

Quatro anos depois em casa em Nagano, Japão, com Harada ainda no páreo,  eles estavam determinados a conquistar o indescritível ouro – mas ficaram em quarto lugar após a primeira rodada.

Então uma nevasca interrompeu a competição. Os resultados da primeira rodada permaneceriam válidos em caso de cancelamento.

Oficiais estabeleceram as condições para manter a competição: todos os 25 saltadores teste teriam que completar seus saltos.

Entre os saltadores teste estava o companheiro de equipe de Harada de Lillehammer, Nishikata Jinya, que não tinha conseguido se classificar para Nagano devido a uma lesão.

Como se fosse obra do destino, as chances do Japão agora estavam nas mãos de Nishikata que teve suas esperanças de medalha de ouro frustradas pela falha de Harada quatro anos atrás - e dos outros 24 saltadores.

Eles sobreviveriam. E o Japão seguiu para conquistar o ouro após Harada ter se superado dessa vez.

Nishikata Jinya voa pela equipe do Japão 

Harada - que é coordenador-chefe da delegação japonesa para Beijing 2022 – e Nishikata estarão entrelaçados por toda vida.

A história deles, através dos olhos de Nishikata e de seus companheiros heróis desconhecidos, foi transformada em filme, no ano passado, intitulado Hinomaru (Bandeira Japonesa) Soul.

É uma história que tem inspirado a atual geração japonesa de saltadores tais como os favoritos por medalha em Pequim Takanashi Sara e Kobayashi Ryoyu.

É a história de cada ascensão, cada queda, cada vitória – de como nós estamos juntos nessa.

“Desde os Jogos Olímpicos de Nagano 1998, isso é contado uma vez a cada quarto anos” disse Nishikata.

“Me perguntam como era, é um filme agora. Mas se eu tivesse me tornado um medalhista de ouro (em Lillehammer), a história não teria acontecido do jeito que aconteceu.”

Então quando eu penso sobre isso, eu estou em paz com o rumo dos acontecimentos daquela época. Eu sou grato agora.”

“Eu posso não ter ganhado uma medalha de ouro, mas eu quero realmente dizer ‘Obrigado’”.

Após quatro anos de espera, Japão finalmente conquistou o ouro no evento por equipes em Nigano.
Foto: Bongarts

GOSTA DE SALTO DE ESQUI?

Receba notícias de salto de esqui, vídeos, destaques dos Jogos Olímpicos de Inverno e muito mais.