Natação: melhor campanha do Brasil em Jogos Paralímpicos no adeus de Daniel Dias

Brasil acaba 8º no ranking da natação em Tóquio 2020 graças a 23 medalhas, incluindo oito de ouro. Gabriel Geraldo, Gabriel Bandeira e Carol Santiago lideraram a melhor campanha do Brasil em Jogos Paralímpicos, onde se despediu o mito das piscinas Daniel Dias.

Gonçalo Moreira
Foto: Adam Pretty/Getty Images

Uma despedida pode ser interpretada como final de um ciclo, mas também o início de outro. A natação brasileira encerrou em Tóquio 2020 a “era Daniel Dias”, o maior nadador Paralímpico brasileiro da história.

Na hora do adeus, Daniel Dias deixou sua marca: três medalhas de bronze para fechar a carreira com um total de 27 medalhas em Jogos Paralímpicos e dezenas de outras em Campeonatos do Mundo e Jogos Parapan-americanos.

É um ciclo que termina com 23 medalhas conquistadas só nestes Jogos Paralímpicos: oito de ouro, cinco de prata e dez de bronze, o que coloca o Brasil no 8º lugar do ranking da natação. Resumindo, foi a melhor prestação da natação em Jogos Paralímpicos superando as 19 medalhas de Beijing 2008 e da Rio 2016.

Quem sucede a Daniel Dias?

No time masculino dois nomes emergiram com força como líderes. Aos 19 anos, Gabriel Geraldo, também conhecido como Gabrielzinho, venceu em 200m livre, 50m costas e foi 2º em 100m costas.

A juventude é aliada ao carisma do atleta que contagiou o Centro Aquático com sua dança tradicional após cada conquista. O mineiro tem vários Jogos Paralímpicos pela frente e já mostrou que não treme perante a pressão: foi Gabrielzinho quem conquistou a primeira medalha do Brasil em Tóquio 2020.

Também Gabriel Bandeira sai com sua imagem reforçada. Foi dele o primeiro ouro da delegação em Tóquio 2020 – e logo com recorde Paralímpico nos 100m borboleta (54,76s) – e a campanha do paulista de 21 anos continuou com medalhas de prata em 200m medley, 200m livre e bronze no revezamento misto 4x100m livre.

Outro atleta com mais do que uma medalha conquistada foi o campeão em 50m livre Wendell Belarmino, que no último dia de provas tentou o segundo título Paralímpico em Tóquio 2020, mas ficou com a medalha de bronze nos 100m borboleta. A terceira foi vencida como parte do time que nadou no revezamento misto 4x100m (até 49 pontos) e que chegou na prata.

GABRIEL GERALDO ARAUJO OURO 200M LIVRE S2 Finais da Natação no Tokyo Aquatic center Foto Ale CabralCPB.
Foto: Ale Cabral/CPB

A erupção de Carol Santiago

Sem dúvida que se há uma atleta que sai de Tóquio 2020 como destaque dentro da seleção brasileira é Carol Santiago (classe S12 - atletas com deficiência visual).

A pernambucana foi um vulcão nos Jogos Paralímpicos. Após estar “adormecida” 36 anos, entrou em erupção no Centro Aquático da capital japonesa fazendo a estreia em Jogos Paralímpicos com a conquista de cinco medalhas – três de ouro e uma de bronze nas provas individuais, além da prata no revezamento 4x100m (até 49 pontos) – e batendo dois recordes Paralímpicos: nos 50m livre (26,82s) e 100m peito (1:14:89s).

Com a erupção de Carol Santiago e a certeza de que no time masculino há atletas de perfil jovem e já ganhadores, a natação se despede até Paris 2024.

Confira todos os resultados da natação em Tóquio 2020 clicando aqui.

Carolina Santiago celebra a vitória na final de 100m livre da classe S12 nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020
Foto: Carmen Mandato/Getty Images