Darlan Romani fecha ano marcado pelo invicto bicampeão Olímpico Ryan Crouser

Recordista mundial do arremesso de peso Ryan Crouser não perde desde o Mundial de 2019 e em Zurique confirmou a vitória na Liga de Diamante. Darlan Romani deu por encerrada a temporada dias antes, em evento na Polônia.

Gonçalo Moreira
Foto: Patrick Smith/Getty Images

A última das 13 rodadas da Liga de Diamante arrancou sem presença brasileira, já que Alison dos Santos estava escalado para correr os 400m com barreiras apenas no segundo de dois dias de provas.

Vários campeões de Tóquio 2020 confirmaram o seu favoritismo, como o recordista mundial e bicampeão Olímpico no arremesso de peso, Ryan Crouser, que desde os Mundiais de 2019 não perde um evento do peso. O estadunidense continua "on fire" e no pós-Tóquio 2020 mantém a invencibilidade somando vitórias em Eugene, Lausanne, Memorial Kamila Skolimowska e agora Zurique. Ryan Crouser fechou com 22,67m batendo o compatriota e vice-campeão Olímpico, Joe Kovacs, que ficou em 22,29m.

Faltava a Ryan Crouser um troféu da Liga de Diamante. Já não falta mais! Próximo objetivo: o título mundial, algo que o nativo de Portland poderá tentar competindo em casa, já que os próximos Mundiais (adiados de 2021 pela pandemia e programados para 15-24 de julho de 2022) serão organizados em Eugene, no estado do Oregon, de onde é natural o campeão da Rio 2016 e de Tóquio 2020.

Darlan Romani não competiu, o catarinense encerrou a temporada com 20,52m no evento que aconteceu na Polônia, no fim de semana passado. Após um ciclo Olímpico de superação constante, onde o ponto alto foi o 4º lugar em Tóquio 202 lançando 21,88m - sua melhor marca do ano - Darlan Romani ainda alcançou mais um excelente resultado no meeting de Eugene logo após os Jogos Olímpicos, sendo  2º atrás do inevitável Crouser. Agora chegou a hora de fazer uma pausa antes de iniciar o ciclo para Paris 2024.

Ainda no peso, mas na prova feminina em Zurique, a portuguesa Auriol Dongmo voltou a estar em foco. A campeã da Europa em pista coberta e 4ª colocada em Tóquio 2020 – a cinco centímetros do bronze – foi 2ª classificada com um lançamento de 18,86m atrás da norte-americana Maggie Ewen, vencedora com 19,41m. Papéis invertidos face ao resultado do meeting polonês onde Auriol Dongmo tinha batido Maggie Ewen por um centímetro.

O caso da norte-americana Ewen é curioso já que termina forte uma época marcada pela não presença nos Jogos Olímpicos e tudo se deveu a três centímetros, mostrando que no arremesso de peso todos os ganhos marginais contam. Nas seletivas para a equipe dos EUA, a atleta do Minessotta ficou em 18,92m quando o corte Olímpico para o top 3 se produziu com Adelaide Aquilla aos 18,95m. Em Tóquio 2020 os EUA conquistaram a medalha de prata com Raven Saunders, atrás da campeã Olímpica, a chinesa Lijao Gong.