Jogos Olímpicos de Paris 2024: Cinco principais coisas para saber

Desde a estreia de um novo esporte Olímpico até um novo logo inovador, aqui estão as cinco principais coisas para saber sobre os Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Will Imbo

Em 8 de agosto, os *Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 *chega ao fim com a Cerimônia de Encerramento, a qual incluiu a transferência da bandeira Olímpica da governadora de Tóquio, Yuriko Koike, ao presidente do COI, Thomas Bach, que posteriormente passou a bandeira para a prefeita de Paris, Anne Hidalgo.

E embora falte alguns anos para os Jogos Olímpicos de Paris 2024, nunca é cedo demais para ficar animado para os Jogos das XXXIII Olimpíada!

Com isso em mente, aqui estão as cinco principais coisas para saber sobre os Jogos Olímpicos de Paris 2024, incluindo um esporte totalmente novo, um local no Pacífico, o design do logo e muito mais!

O centenário dos Jogos Olímpicos de Paris 1924

Em 2024, Paris vai se tornar a segunda cidade a sediar os Jogos Olímpicos de Verão três vezes, depois de Londres (que sediou em 1908, 1984 e 2012 os Jogos Olímpicos).

A Cidade das Luzes sediou os Jogos Olímpicos pela primeira vez em 1900, quatro anos depois que o evento multi-esportivo ressuscitou em Atenas, após ser banido pelo imperador romano Teodósio I, cerca de 1500 anos antes.

Nenhuma Cerimônia de Abertura ou de Encerramento foi realizada nos Jogos Olímpicos de 1900, que contaram com a participação de mulheres pela primeira vez na história dos Jogos Olímpicos, e também outros eventos únicos, incluindo o balonismo, natação subaquática e críquete.

Paris sediou os Jogos Olímpicos de Verão outra vez em 1924, tornando-se a primeira cidade a sediar os Jogos Olímpicos duas vezes. Enquanto a Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de 1924 foi realizada no dia 5 de julho de 1924, algumas competições começaram no dia 4 de maio, com a Cerimônia de Encerramento realizada no dia 27 de julho.

Cem anos depois, no dia 26 de julho de 2024, Paris vai dar as boas-vindas oficialmente pela terceira vez ao mundo aos Jogos Olímpicos, enquanto essa edição será a sexta realizada na França (Além dos Jogos de Verão mencionados acima, a França também sediou os Jogos de Inverno em três ocasiões: Chamonix 1924, Grenoble 1968 e Albertville 1992).

Polo aquático nos Jogos Olímpicos de 1924
Foto: 2005 Getty Images

A estreia Olímpica da breaking

A programação os Jogos Olímpicos de Verão está programada para apresentar 32 esportes, abrangendo 306 eventos; entre eles está o breaking, que vai fazer sua estreia Olímpica.

Breaking é uma competição de breakdancing que inclui gingado e movimentos atléticos, como giros para trás ou de cabeça. Os atletas (conhecidos como B- boys e b- girls) são julgados por uma série de critérios durante sua rotina, incluindo habilidades técnicas, criatividade, estilo, velocidade, força, ritmo e agilidade.

O breaking foi um evento extremamente popular nos Jogos Olímpicos da Juventude de Verão 2018, em Buenos Aires, e em dezembro de 2020 o esporte foi oficialmente adicionado na programação de Paris 2024, junto com o surfe, skate e escalada esportiva (que teve sua estreia Olímpica em Tóquio 2020).

Falando em uma conferência de imprensa, após a reunião do Conselho Executivo do Comitê Olímpico Internacional (COI) para confirmar a programação de Paris 2024, o presidente do COI, Thomas Bach, disse que adição do esporte vai fazer os Jogos Olímpicos mais “equilibrados em termos de gênero”, mas jovem e mais urbano.

Surfe Olímpico no Taiti

Taiti — a maior ilha da Polinésia Francesa, um coletivo de territórios ultramarinos da França, — sediará a competição de surfe em Paris 2024.

Taiti foi escolhida como sede em quatro potenciais locais na França Continental (Biarritz, Lacanau, Le Landes e La Torche), e quando a competição começar em 2024 – a 15.700 quilômetros de Paris – quebrará o recorde de medalha Olímpica mais distante de ser disputada fora da cidade anfitriã.

Nos Jogos Olímpicos de Melborne de 1956, os eventos de hipismo foram transferidos da cidade australiana por conta das leis de quarentena e, em vez disso, foram realizados cinco meses antes em Estocolmo, na Suécia.

A Associação Internacional de Surfe (ISA) apoiou a decisão juntamente com o Presidente Fernando Aguerre, dizendo para a BBC que a escolha do Taiti como um local Olímpico é um testemunho do espirito de criatividade e inovação.

Emblema Olímpico e - Paraolímpico Paris 2024

Quando o logo de Paris – 2024 foi revelado em 2019, marcou um momento icônico na história dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Pela primeira vez, o mesmo emblema seria usado para ambas competições.

Descrito como a “cara” dos Jogos, o logo é a junção de três ícones simbólicos: a medalha de ouro, a chama e Marianne – um importante símbolo da Revolução Francesa.

“Primeiramente este logotipo foi o primeiro na história, “nós queríamos que fosse o mesmo para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos”, disse o líder da candidatura de Paris 2024 e tricampeão olímpico de canoagem Tony Estanquet.

“É histórico dizer que nós temos a mesma ambição para estes dois eventos, colocar estes atletas Olímpicos e Paralímpicos no mesmo nível e celebrar os Jogos da mesma maneira, seja na forma de celebração ou herança. ”

Você pode aprender mais sobre o logo de Paris 2024 aqui.

Uma maratona para todos

Em mais uma estreia para os Jogos Olímpicos, uma maratona de grande participação aberta para atletas amadores, que será realizada no mesmo dia da prova de elite. A maratona “pública” não começaria no mesmo tempo da competição de elite, mas os atletas vão correr o mesmo percurso e nas mesmas condições que o evento Olímpico, segundo Estanguet.

Uma declaração no site Paris 2024 diz: Com este evento [a maratona de participação em massa], Paris 2024 está envolvendo pessoas de toda França para se inspirada pelo mentalidade e valores Olímpicos e integra-los no seu dia a dia.

“Para permitir que o maior número de pessoas possíveis compartilhe esta experiência marcante, vários formatos de corridas vão ser oferecidos para todos, sejam eles atletas experientes ou iniciantes, com ou sem experiência, com deficiência ou não, jovens ou não, possam aproveitar este momento verdadeiramente excepcional".