Rayssa Leal comemora crescimento do skate feminino e exalta Pâmela e Leticia após prata Olímpica

A maranhense de 13 anos se tornou a medalhista Olímpica mais jovem da história do Brasil na prova do street feminino em Tóquio 2020 em 2021.

Sheila Vieira
Foto: Wander Roberto/COB

Doçura, bravura e gratidão. Aos 13 anos de idade, Rayssa Leal, a "Fadinha", demonstrou todas essas qualidades logo após o seu maior momento, como a medalhista Olímpica mais jovem da história do Brasil com a prata no street do skate feminino.

Rayssa dividiu o pódio com outras duas adolescentes, as japonesas NISHIYA Momiji, também de 13 anos, e NAKAYAMA Funa, de 16.

"O skate feminino está crescendo muito mais do que antes, eu acho super importante torcer para que as meninas acertem, que a gente dê nosso melhor. Que a gente treine novas manobras para mostrar nas competições. É muito gratificante saber que o nível feminino está subindo, que todo mundo está querendo ensinar as outras meninas. É muito legal", afirmou a vice-campeã Olímpica.

Em Tóquio, Rayssa vive o auge de uma história que começou aos oito anos, quando ela viralizou na internet com um vídeo vestida de fada fazendo tricks de skate. A lenda do skate, Tony Hawk, notou Rayssa em 2015. Na época, ela se inspirava em Leticia Bufoni. Apenas três anos depois, a maranhense já ocupava seu lugar na elite do skate mundial. Cinco anos depois, ela subiu ao pódio, com Leticia e Hawk na torcida.

Inseparáveis no Japão, Leticia e Rayssa mostraram que a cumplicidade e amizade são possíveis mesmo entre concorrentes, um grande exemplo do que é o espírito Olímpico.

"Desde quando eu comecei a andar de skate, já conhecia ela, o primeiro vídeo que vi foi dela. Desde antes até agora ela sempre vai ser meu ídolo, minha inspiração todos os dias, que me incentiva a me divertir".

- Rayssa Leal

Pâmela Rosa, a número 1 do mundo que competiu com o pé lesionado e ficou fora da final, também foi exaltada por Rayssa.

"A Pâmela me ensinou muita coisa. Antes, quando eu não levava os campeonatos tão a sério, ela falava que quando você está na pista, é só você e o skate. Divirta-se que tudo vai fluir naturalmente. E a Leticia é minha inspiração, meu ídolo. Não acredito que estou dividindo um apartamento com ela [na Vila Olímpica]. Ela me ensina muito como pessoa e como skatista", completou a Fadinha.

Skate continua em Tóquio com brasileiros no park

O skate em Tóquio 2020 é dividido em dois eventos diferentes: street (a pista simula objetos das ruas, como corrimãos e escadas e a criatividade é um importante componente) e o park (com uma pista com declives, ângulos e curvas, na qual os participantes vão ganhando velocidade e demonstrando manobras), ambos no feminino e no masculino. Com o street já finalizado, o park acontece nos dias 4 e 5 de agosto. Os brasileiros Luiz Francisco e Pedro Barros são terceiro e quarto colocados do ranking mundial, respectivamente, nesse evento.

Confira os skatistas brasileiros na categoria park:

  • Park feminino: Dora Varella, Isadora Pacheco e Yndiara Asp (4 de agosto)
  • Park masculino: Luizinho Francisco, Pedro Barros e Pedro Quintas (5 de agosto)