Yaroslava Mahuchikh sobre como escapar da guerra na Ucrânia e como 'o esporte une, o esporte ajuda' a promover a paz

A medalhista Olímpica de bronze de Tóquio 2020 e atual campeã mundial de salto em altura indoor conta ao Olympics.com suas experiências na preparação para os campeonatos de março depois de ter escapado de Dnipro.

ZK Goh com Ekaterina Kuznetsova
Foto: 2022 Getty Images

Yaroslava Mahuchikh é a campeã mundial de salto em altura feminino.

Atualmente, ela também é refugiada da Ucrânia, morando e treinando na Alemanha durante a temporada de atletismo.

Para o Dia Olímpico de 2022 em 23 de junho, com o tema #Mexasepelapaz, a nativa de Dnipro falou ao Olympics.com em uma entrevista exclusiva sobre a tentativa de promover a paz em seu país através do esporte.

“Seja mais gentil com todos porque o esporte une, o esporte ajuda e os atletas ajudam uns aos outros”, diz Mahuchikh.

“Nos Jogos Olímpicos, todas as pessoas ficam juntas. A Vila Olímpica reúne pessoas de todos os países. Os Jogos Olímpicos certamente unem as pessoas. Sempre foi, faz agora e fará isso no futuro”, acrescenta ela.

Atletas ucranianos fugiram para treinar

O triunfo de Mahuchikh no Campeonato Mundial Indoor de 2022 em Belgrado, Sérvia, ocorreu três semanas depois que seu país natal foi atacado.

A invasão interrompeu o treinamento da medalhista de bronze Olímpica. “Foi muito difícil, mudamos primeiro para Khmelnytskyi”, lembra Mahuchikh dos primeiros dias após 24 de fevereiro, quando o mundo mudou para ela e seus colegas ucranianos.

“Havia o campo de treinamento para a nossa pequena seleção que iria para o Mundial (indoor). No meio de nossa viagem nos disseram para nos mudarmos para a fronteira.

“Nossa viagem durou três dias. No final, chegamos à Sérvia e começamos a treinar sem sirenes, sem explosões.”

Mahuchikh sabia que não estaria em casa por um tempo: “O momento mais difícil foi me despedir da minha família, do meu pai”, lembra ela.

“Mas então você percebe que precisa competir, atuar pelo seu país em nível internacional, mostrar que a Ucrânia ainda está lá. ”

Não foi uma jornada fácil para a saltadora, tanto pelo tempo que levou, quanto pelos pensamentos que retumbavam em sua cabeça. Ela admite ter se questionado durante a longa viagem longe do perigo.

“Eu tinha muitos pensamentos sobre por que eu estava indo”, diz Mahuchikh. “Eu (tinha) acabado de começar a entregar ajuda humanitária. (Mas) eu entendi, em Dnipro tínhamos muitos voluntários, porque era uma região relativamente segura (na época). Nossa cidade se agrupou e ajudou muito.

“E eu pensei porque eu deveria ir para o Mundial e que eu saltaria. Então entendi que esse é o meu campo de trabalho. Este é a minha especialidade, tenho que defender meu país no meu campo e (neste ponto) percebi que as pessoas que fazem seu trabalho ajudam seu país com tudo o que podem fazer em cada uma de suas áreas. ”

Uma família separada

Desde que deixou a Ucrânia antes do Campeonato Mundial Indoor em março, Mahuchikh não voltou para casa. Ela competiu no circuito da Diamond League nesta temporada enquanto estava sediada em Erlangen, na Alemanha, com a ajuda de seus patrocinadores.

“Eles nos ajudaram e nos forneceram apartamentos”, diz ela. “Minha mãe, minha irmã e a filha dela foram para lá.”

A ucraniana também prestou homenagem às várias federações desportivas, internacionais e nacionais, que ajudaram os atletas do seu país a encontrarem novas bases de treino durante a guerra e receberam-nos de braços abertos.

Mas, ela diz, “Minha casa era e ainda é na Ucrânia, em Dnipro – minha cidade, meu apartamento”.

Dnipro, no centro-leste da Ucrânia, está agora perto da linha de frente do conflito. "Muitas pessoas ficaram em casa em Dnipro", diz Mahuchikh. “Alguns estão na Polônia."

“Claro que todo mundo quer ir para casa. Falei com minha irmã recentemente. Eu disse a ela que queria voltar para casa, voltar à vida normal, viver sem o som das sirenes.

“Mas ela lê as histórias daqueles que voltam da Polônia. Você quer fazer isso, mas ainda não é seguro porque ainda estão explodindo mísseis na minha cidade. ”

Mahuchikh trazendo "sorrisos e alegria" à Ucrânia

O triunfo em Belgrado veio com uma consequência muito bem-vinda – a atenção que uma campeã mundial comanda e várias oportunidades para ela falar sobre a situação em casa. Ele também tinha o bônus adicional de fornecer um impulso moral para seus compatriotas.

“À luz de todas as informações ruins, as pessoas ouviam boas notícias e podiam sorrir. E consegui isso porque as pessoas me agradeceram por trazer sorrisos e alegria”, lembra Mahuchikh. “Depois da competição participei de coletivas de imprensa e mesmo antes disso passei pela zona mista. É claro que, como vencedor, você recebe mais atenção da mídia do que um medalhista de prata ou bronze. Essa foi uma motivação extra.

“Você sabe que pode ter um resultado nas competições e depois falar com os jornalistas, e eles publicam. Depois do evento na Sérvia, tive muitos pedidos de entrevista. Posso ajudar com meus resultados em nível esportivo, o que me dá a oportunidade de falar com a mídia.

“(Quero que as pessoas saibam) que somos uma nação muito forte, que passou por muito na história da Ucrânia e sofreu muito. Mas eu sei que somos fortes, e vamos sobreviver a tudo isso. Só temos que acreditar em nós mesmos)”.

O esporte une

Acima de tudo, Mahuchikh continua convencida de que o esporte pode promover a paz – seja através da conscientização sobre a situação na Ucrânia e em outras zonas de conflito, seja simplesmente aproximando as pessoas.

“O esporte mostra, em todos os aspectos da vida, o lado bom de homens e mulheres: seu caráter forte, sua vontade de seguir em frente até o fim, não importa o que aconteça."

“Os Jogos Olímpicos, para mim, unem todos os países. Os Jogos Olímpicos ajudam o mundo. É sempre transmitido em todos os países e até pessoas que não são fãs de esportes assistem ao Jogos Olímpicos. Isso é algo incrível.”

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual