Conheça o 'Quarteto Fantástico' de Beijing 2022 e suas cinco medalhas

Quentin Fillon Maillet, da França, Alexander Bolshunov, do ROC, e os noruegueses Johannes Thingnes Boe e Marte Olsbu Roeiseland, cada um com cinco medalhas conquistadas, formam o supergrupo que brilhou nos Jogos Olímpicos de Inverno Beijing 2022.

Foto: 2022 Getty Images

Em meio às muitas vitórias e recordes quebrados em Beijing 2022, as conquistas do chamado "Quarteto Fantástico", com cinco medalhas obtidas por cada um, estão entre os melhores momentos desta edição dos Jogos Olímpicos de Inverno.

O grupo ultrapassou os limites de seus respectivos esportes e, de quebra, ainda se juntou a um clube exclusivo de atletas Olímpicos que ganharam mais de uma medalha em uma edição dos Jogos.

Fillon Maillet, Boe e Olsbu Roeiseland somaram 15 medalhas no biatlo, enquanto Bolshunov foi o maior vencedor entre os participantes do esqui cross-country, com outras cinco medalhas.

Conheça um pouco mais dos feitos de cada um deles:

Boe e seus quatro ouros

A sensação norueguesa Johannes Thingnes Boe atingiu a inédita marca de quatro medalhas de ouro e uma de bronze. Com seu número de vitórias, ele ficou a apenas uma do maior recordista de ouros em uma edição dos Jogos: o patinador de velocidade norte-americano Eric Helden, que conquistou cinco em Lake Placid 1980.

Boe, de 28 anos, levou uma medalha em cinco dos seis eventos dos quais participou. Foi ouro nas provas masculinas de 15km largada em massa, 10km sprint e revezamento 4x7,5km, e no revezamento 4x6km misto. O bronze veio nos 20km individual masculino. Boe é apenas o segundo biatleta a conquistar quatro ouros em uma edição dos Jogos de Inverno, junto ao seu compatriota Ole Einar Bjoerndalen, uma das referências do esporte.

No total, o norueguês soma oito medalhas na carreira - em PyeongChang 2018, foram duas pratas e um ouro.

"Pensei, cinco medalhas em seis provas, quatro ouros. E também a 15a medalha de ouro para a Noruega nestes Jogos Olímpicos. Ninguém nunca fez isso antes, então é um grande dia para a nação também," comentou Boe depois de sua vitória nos 15km largada em massa, evento que fechou a programação do biatlo em Pequim.

"Significa muito. Você não consegue prever como serão os Jogos Olímpicos. Meus últimos anos como biatleta têm sido fantásticos, mas são os Jogos que importam e estou realmente feliz por ter tido minha melhor performance durante o evento, e não apenas antes ou depois. Estou muito aliviado."

Fillon Maillet, o primeiro a ganhar cinco medalhas

Quentin Fillon Maillet foi o primeiro integrante do "Quarteto Fantástico" a ganhar cinco medalhas nesta edição dos Jogos, tornando-se o primeiro biatleta da história a obter este feito.

O francês, de 29 anos, chegou ao pódio em quase todos os eventos que disputou em Beijing 2022 - a exceção ficou por conta de um quarto lugar nos 15km largada em massa, último evento do biatlo e que poderia lhe garantir o recorde de seis medalhas.

Ele confirmou seu status como um dos maiores biatletas do mundo, vencendo as provas masculinas de 20km individual e perseguição 12,5km. Fillon Maillet tornou-se apenas o segundo francês a levar o ouro no evento de 20km individual, depois de Martin Fourcade obter a façanha em Sochi 2014. Além dos dois ouros, ele também ganhou três pratas, nas provas de 10km sprint e revezamento 4x7,5km masculino, e no revezamento 4x6km misto.

O que torna sua performance em Pequim ainda mais impressionante é o fato de ele nem ter chegado perto do pódio há quatro anos, em PyeongChang 2018. Seu melhor desempenho foi a 29ª colocação nos 15km largada em massa.

"É incrível, nunca esperava por isso. Mas hoje não lutei pelo recorde ou por mim, e sim pela equipe," comentou Fillon Maillet sobre seu feito histórico.

"Isso é importante para mim porque somos todos amigos. Queria mesmo compartilhar um grande momento com a equipe e foi isso que aconteceu hoje - uma medalha de prata, um momento muito bom."

Marte Olsbu Roeiseland
Foto: 2022 Getty Images

Olsbu Roeiseland se consagra

Beijing 2022 foi a consagração de Marte Olsbu Roeiseland, que terminou sua segunda participação em Jogos de Inverno como a rainha do biatlo.

Suas cinco medalhas - três ouros e dois bronzes - elevam para sete o número de conquistas Olímpicas na carreira. Ela fechou sua participação em Pequim terminando os 12,5km largada em massa em terceiro lugar, tornando-se apenas a segunda atleta - atrás, novamente, da lenda Ole Einar Bjoerndalen - a terminar no pódio em todos os eventos individuais do biatlo nos Jogos de Inverno.

A biatleta, de 31 anos, também ganhou medalhas de ouro nas provas femininas de 7,5km sprint e perseguição 10km, e no revezamento 4x6km misto. O outro bronze foi nos 15km individual feminino.

Em PyeongChang 2018, ela também ficou com a prata nas provas de sprint feminino e revezamento misto, além de terminar em quarto na perseguição.

Com suas sete medalhas, ela está a uma de alcançar sua compatriota Tiril Eckhoff, a biatleta norueguesa mais premiada da história. Em três edições dos Jogos, ela obteve oito - incluindo uma de cada cor em Pequim, foi ouro no revezamento 4x6km misto e prata nos 12,5km largada em massa feminino e perseguição 10km feminino.

"Tem sido realmente fantástico. Tenho cinco medalhas - três ouros e dois bronzes - e isso é muito mais do que eu poderia sonhar. É incrível," comentou Olsbu Roeiseland após a prova da largada em massa. "Para ser sincera, não sei como isso aconteceu. Meu objetivo era vencer uma medalha de ouro. Agora eu tenho três, e mais duas de bronze. É simplesmente incrível. Estou muito orgulhosa."

Alexander Bolshunov
Foto: 2022 Getty Images

Bolshunov, o "intruso"

Alexander Bolshunov, do ROC, é o único membro do "Quarteto Fantástico" que não é um biatleta: seu domínio foi no esqui cross-country.

Seu duelo particular com Johannes Hoesflot Klaebo, da Noruega, foi uma das principais histórias do esqui cross-country nestes Jogos.

Bolshunov, de 24 anos, ganhou uma medalha em todas as provas de que participou - três de ouro, uma de prata e uma de bronze -, superando Klaebo, que acabou com quatro.

O esquiador cross-country do ROC foi ouro nas provas masculinas de 50km largada em massa livre, esquiatlo 15km + 15km e revezamento 4x10km. Além disso, ficou com a prata nos 15km clássico masculino e o bronze no sprint clássico por equipes masculino.

Bolshunov agora soma nove medalhas em duas edições de Jogos Olímpicos: na primeira, em PyeongChang 2018, ele terminou com quatro pratas e um bronze.

"É uma performance inacreditável porque ganhei medalhas em todas as provas de que participei - e em três elas foram de ouro. É uma grande realização. Estou muito feliz e queria dizer um muito obrigado imenso à minha equipe,” disse Bolshunov.

"Depois do Ano Novo, quando corri no Tour de Ski, entendi que estou chegando perto do nível em que eu poderia ao menos lutar pelo top 3, mas agora ganhar ouro em três distâncias é inacreditável. De verdade. Você pode chamar isso de sonho, mas agora não é mais porque já foi feito."

Atletas que ganharam cinco medalhas em uma única edição dos Jogos de Inverno:

Clas Thunberg (Chamonix 1924), Roald Larsen (Chamonix 1924), Eric Heiden (Lake Placid 1980), Lyubov Yegorova, Yelena Välbe (Albertville 1992), Manuela di Centa (Lillehammer 1994), Larisa Lazutina (Nagano 1998), Cindy Klassen (Torino 2006), Ireen Wust (Sochi 2014), Marit Bjorgen (Vancouver 2010 e Pyeongchang 2018), Quentin Fillon Maillet, Marte Olsbu Roeiseland, Johannes Thingnes Boe, Alexander Bolshunov (Beijing 2022).

O BIATLO COMEÇA AQUI!

Receba notícias de biatlo, vídeos, destaques dos Jogos Olímpicos de Inverno e muito mais.