Atletismo começa em Tóquio 2020 com Alison dos Santos, o Piu, na pista

Corredor brasileiro dos 400m com barreiras de 21 anos disputa eliminatórias na noite de 29 de julho no horário do Brasil. Ele é um dos principais nomes da prova junto a Karsten Warholm (NOR), que quebrou recentemente o recorde mundial de 29 anos.

Sheila Vieira
Foto: 2019 Getty Images

É hora do atletismo começar em Tóquio 2020 em 2021! O Estádio Olímpico recebe as primeiras provas nesta sexta-feira (30 de julho), noite de quinta-feira (29) no Brasil. Possivelmente o maior candidato a medalha no esporte entre os brasileiros, o corredor Alison dos Santos já entra na pista para as eliminatórias no primeiro dia de competição.

Santos, também conhecido como "Piu", é um dos maiores nomes da atualidade dos 400m com barreiras. Ele tem o terceiro melhor tempo deste ano, 47.34, atrás do americano Raj Benjamin, com 46.83, e do fenômeno norueguês Karsten Warholm, com 46.70, o atual recorde mundial que foi quebrado neste mês após 29 anos.

Primeiro brasileiro a correr a prova abaixo de 48 segundos, Piu teve uma evolução meteórica nos 400m com barreiras. Quando foi campeão do Pan-Americano de Lima 2019, ele venceu com 48.45. Desde então, vem constantemente melhorando seu melhor tempo a cada evento, inclusive nas etapas da Liga Diamante deste ano. O brasileiro ainda não conseguiu superar Warholm e Benjamin, mas costuma ficar próximo a eles ou vencer a prova quando eles não a disputam.

Para ter ideia da grandiosidade de Warholm e Benjamin, eles são dois dos três corredores da história a completar a prova em menos de 47 segundos, além do ex-recordista mundial e agora 'apenas' recordista Olímpico Kevin Young (USA). Piu, que tem dois metros de altura, está em 14º no ranking dos melhores da história nos 400m com barreiras.

Se tudo isso não é motivo para ligar a televisão na hora de sua prova, também temos outros argumentos.

Piu tem uma notável história de superação, que começou quando ele tinha só 10 meses de idade. Naquela época, um acidente com uma frigideira cheia de óleo quente fez com que ele ficasse meses no hospital tratando de queimaduras de terceiro grau. O que fez com que ele voltasse a se sentir mais confortável em seu próprio corpo? O atletismo.

“Hoje eu falo tranquilamente do acidente. Antes, tinha vergonha. Foi um processo mesmo. O atletismo me fez crescer aquilo que sou por dentro. Eu era tímido e tinha vergonha por conta da minha cicatriz, sempre tentava esconder. Agora, eu sou o Piu.”

- Alison dos Santos à Folha de S.Paulo

Adepto do judô quando mais jovem, onde ele ganhou o apelido de Piu, o corredor foi apresentado ao atletismo na escola e convidado a treinar, mas só compareceu meses depois junto a um amigo.

Hoje em dia, seu foco é tão grande que ele abriu mão de participar do revezamento 4x400 em Tóquio para se concentrar em disputar um lugar no pódio nos 400m com barreiras. Durante a pandemia, ele teve que improvisar, correndo em uma pista de cimento em São Joaquim da Barra (SP), sua cidade natal, e no Parque Ibirapuera na capital.

Enfim chegou a hora de ver Piu em ação nos Jogos Olímpicos. As eliminatórias dos 400m com barreiras começam às 11:25 no horário de Japão no dia 30, 23:25 da noite do dia 29 no horário de Brasília. As semifinais serão em 1 de agosto e a decisão no dia 3.