Tochas, sacerdotisas e uma viagem no tempo: assista ao início da jornada da chama Olímpica rumo a Pequim

A Cerimônia de Acendimento e Entrega da chama Olímpica dos Jogos Olímpicos de Inverno Beijing 2022 será transmitida ao vivo por streaming pelo Olympics.com nos dias 18 e 19 de outubro, antes da sua chegada em Beijing, no dia 20 do mesmo mês.

Foto: AFP

O caminho para os Jogos Olímpicos começa silencioso.

Longe da agitação das competições e da urgência dos preparativos finais para os Jogos de Inverno Beijing 2022, no pitoresco ambiente da antiga Olímpia - palco dos Jogos Olímpicos da Antiguidade, na Grécia - a chama é recolhida dos céus em um silêncio reverente.

Enquanto autoridades - incluindo o Presidente do COI, Thomas Bach - estarão presentes, a chama Olímpica é a estrela da festa. Despretensiosa e mais silenciosa que os pássaros cantando suavemente pelas oliveiras que estão ali perto, a chama Olímpica atrai toda a atenção. A semente dos próximos Jogos irá crescer.

Uma ponte para o espírito dos Jogos Olímpicos da Antiguidade - que uma vez preencheu o estádio de Olímpia com a crua e estridente energia das antigas competições, terá destaque uma vez mais, já que os Jogos estão cada vez mais próximos.

O que acontece na Cerimônia de Acendimento e Entrega?

No Templo de Hera, construído no final do século sétimo antes de Cristo, a Alta Sacerdotisa chama por Apolo - o deus antigo mais associado ao sol. Ela implora por um “silêncio sagrado” e “céus limpos” para que a chama seja acesa.

Embora o mito antigo diga que Prometeu, grande campeão do esforço humano e da promessa, roubou a chama dos deuses, hoje ela é fornecida livremente. Nessa manhã de uma segunda-feira de outono, a atriz grega Xanthi Geougiou, vestida em um traje tradicional, ou chiton, e acompanhada por 35 sacerdotisas, vão se ajoelhar sobre um espelho parabólico a fim de reunir os raios do sol em um brilho de chamas.

Da tocha de Georgiou, modelada com base nos pilares do Templo da grande deusa Hera, a Chama será entregue. Ela sairá da sua modesta tocha - uma das quatro apenas que existem - e passará para uma vasilha, antes que uma segunda tocha seja usada para transferir a chama para outras mais modernas, desenhadas especificamente para os Jogos Olímpicos de Inverno Beijing 2022.

A atriz grega Aleca Katseli acende a tocha Olímpica que seria carregada a Tóquio, o local dos Jogos Olímpicos de 1964.
Foto: Keystone/Hulton Archive/Getty Images

Uma vez recolhida a chama na vasilha, a cerimônia tem sequência no estádio de Olímpia através das ruínas de uma cripta por onde os antigos atletas entravam nos recintos de competição. As autoridades e convidados são guiados pelos Kouri - doze jovens garotos que representam os arautos que uma vez anunciaram os Jogos da Antiguidade para as cidades-Estado da Grécia.

Após a apresentação de música e dança tradicionais na verdejante colina do antigo estádio, a Estiada, segunda na hierarquia em relação à Alta Sacerdotisa, aparece com uma vasilha e a coloca em um pequeno altar de pedra. A Alta Sacerdotisa repete sua súplica a Apolo, pedindo a ele que “condecore os vencedores da Corrida Sagrada”, enquanto ela prepara para mandar embora a chama em sua jornada, junto a um ramo de oliveira, símbolo da paz e vitória.

A Cerimônia de Acendimento antes dos Jogos Tóquio 2020 em 2021.
Foto: Milos Bicanski/Getty Images

Há parada especial antes de que a chama deixe as ruínas da velha Olímpia: uma visita ao monumento em homenagem a Pierre de Coubertin. Lá, dentro de um pilar de mármore, repousa o coração do pai dos Jogos Olímpicos Modernos. Enquanto os restos de Coubertin estão na Suíça, o fundador do COI solicitou que seu coração fosse sepultado na Grécia em um gesto final de compromisso com os Jogos Olímpicos que ele ajudou a conceber como um símbolo de competição e de unidade.

Mensagem de esperança

A chegada da chama Olímpica ao Estádio Nacional de Beijing em 4 de fevereiro de 2022 será um regresso a casa. Há 13 anos, na nublada noite na Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2008, um solitário corredor foi içado pelos ares e encostou sua tocha à pira para dar início aos Jogos da XXIX Olimpíada.

Aquele corredor era Li Ning, ginasta chinês tricampeão Olímpico nos Jogos de Los Angeles 1984. Ele era a conexão final na corrente humana naquela ocasião e seus passos largos encerraram uma surpreendente exibição de precisão humana.

Atriz Maria Moscholiou vestida em uma túnica antiga grega na Cerimônia de Acendimento de 1980.
Foto: Keystone/Getty Images

Desta vez, no entanto, é a vez do gelo e da neve dos Jogos de Inverno para a República Popular da China, e não as pistas e verdes campos dos Jogos de Verão. É mais apropriado que o primeiro condutor da tocha seja Ioannis Antoniou, esquiador alpino grego que participou dos Jogos PyeongChang 2018.

Ele receberá a chama de Georgiou, que terá o papel cerimonial de Alta Sacerdotisa, enquanto uma pomba - outro símbolo da paz - será liberada para voar.

A chama chegará a Pequim nas primeiras horas do dia 20 de outubro.

Datas-chave e horários

18 de outubro: Acendimento da chama, com início às 11:20 (hora local da Grécia)

19 de outubro: Cerimônia de Entrega, com início às 11:50 (hora local da Grécia)

20 de outubro: Cerimônia da chegada da Tocha, em Pequim

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual