O que aprendemos: Resumo do Judô na Olimpíada de Tóquio 2020

Desde a conquista do ouro de Abes até a queda de Teddy Riner no mesmo dia, refletimos sobre os principais momentos do judô em Tóquio 2020, recapitulamos as medalhas e as expectativas para Paris 2024.

Foto: 2021 Getty Images

O Nippon Budokan, o lar espiritual do judô, testemunou sua quota de drama e intriga em Tóquio 2020.

A história foi feita com novos campeões coroados e grandes destronados, em oito dias de lutas emocionantes.

O anfitrião Japão dominou com nove ouros, em 15 possíveis, um a mais do que sua melhor melhor marca que foi em Atenas 2004, com oito medalhas.

Kosovo e França conquistaram dois títulos cada, e Geórgia e República Tcheca um cada.

Teddy Riner e Idalys Ortiz ambos aumentaram suas marcas de medalhas individuais para quatro, uma atrás do grande TANI Ryoko, com Riner superando a decepção por não manter seu título nos + 100kg, ajudando a França a conquistar o ouro no primeiro evento de Equipes Mista.

Leia mais alguns dos principais momentos, a recapitulação dos vencedores de medalhas e em quem prestar atenção em Paris 2024.

A França vence por Equipe Mista em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

Os 5 melhores momentos do judô em Tóquio 2020

Aqui estão alguns dos destaques dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que aconteceram em 2021.

1: Os irmãos Abe fazem história

Ter um campeão Olímpico em uma família é uma façanha.

Ter dois campeões Olímpicos em uma família é raro.

Ter dois campeões Olímpicos em uma família ganhando suas medalhas de ouro no mesmo dia é único.

Isso foi o que ABE Uta e seu irmão Hifumi conseguiram em 25 de julho.

Abe Uta foi a primeira, passando por uma final épica feminina nos -52kg com Amandine Buchard.

Depois de quatro minutos de paralização, em que Abe recebeu uma penalidade shido, ela foi para o golden score.

Não havia nada que tirasse esse ouro, embora a japonesa de 21 anos tenha começado a atacar cansada período extra.

Com apenas quatro minutos de pontuação de ouro decorridos, ela fez seu movimento decisivo, manobrando extraordinariamente sua adversária francesa em uma segurada de pescoço, marcando um ippon para o ouro.

Para Hifumi, talvez sua luta mais difícil no caminho para o ouro tenha acontecido em dezembro no Japão, quando ele passou por 20 minutos de golden score para agora vencer a decisão Olímpica com o atual campeão mundial dos -66kg MARUYAMA Joshiro.

Para registro, Maruyama manteve seu título mundial em Budapeste em junho, com o Japão enviando equipes totalmente diferentes para o Campeonato Mundial e os Jogos Olímpicos.

Na competição Olímpica, Abe mal foi desafiado com um lance de ombro seoi nage perfeitamente executado no brasileiro Daniel Cargnin, levando-o até a final.

Uma pontuação foi suficiente para levar o ouro. pois Vazha Margvelashvili foi incapaz de responder a uma meia varredura de perna O-soto-gari para um waza-ari, pouco antes do ponto intermediário.

Isso fez com que os Abe se tornassem os primeiros irmãos na história a ganharem medalhas de ouro Olímpica em eventos individuais no mesmo dia.

Este acabou sendo o melhor dia de todos. Não acho que nós, como irmão e irmã, poderíamos brilhar mais do que neste palco das Olimpíadas de Tóquio.

ABE HIFUMI

ABE Hifumi leva o ouro em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

2: Clarisse Agbegnenou finalmente conquista o ouro

Houve tanta pressão sobre Clarisse Agbenenou quanto sobre qualquer judoca em Tóquio.

Cinco vezes campeã mundial, a francesa estava desesperada para melhorar sua marca do Rio 2016, onde levou a prata, para o ouro na casa do judô.

Ela avançou facilmente até a final, onde enfrentou Tina Trstenjak, a mulher que a derrotou há cinco anos.

A eslovena tinha passado por uma jornada mais difícil até esta decisão da medalha de ouro, mas ela foi a agressora logo no início, com Agbegnenou tendo que estar de guarda.

A favorita foi a primeira a receber uma penalidade shido por passividade, mas Trstenjak foi duas vezes penalizada por ataques falsos antes de a disputa chegar ao golden score.

Faltando apenas 37 segundos para a prorrogação veio o desfecho, com um rápido lançamento de sumi-otoshi para dar um waza-ari e o título Olímpico para Agbegenou.

Então veio um abraço choroso em sua rival e a percepção de que ela finalmente havia alcançado seu objetivo.

Agbegnenou ergueu Trstenjak do chão em respeito e afeto enquanto ela comemorava a conclusão de seu conjunto completo de honrarias.

Ela disse: "Tina e eu nos conhecemos há muito tempo. Temos laços muito fortes além de ela ser uma pessoa maravilhosa por dentro e por fora".

Teremos muito tempo para comemorar, para curtir isso, porque coisas como essa na vida são muito raras.

CLARISSE AGBEGNENOU

Clarisse Agbegnenou em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

3: Krpalek é o novo rei do peso-pesado, enquanto Riner se recupera da derrota

Agbegnenou e Teddy Riner eram as maiores esperanças de medalha de ouro da França em Tóquio, sendo que o último estava competindo por um hat-trick de títulos Olímpicos.

A série de 154 vitórias consecutivas de Riner foi encerrada por KAGUERA Kokora no Grand Slam de Paris, semanas antes do início da pandemia, mas ele ainda desejava profundamente manter sua coroa.

Ele fez um progresso suficientemente estável até as quartas de final, onde enfrentou o número um do mundo, do ROC, Tamerlan Bashaev.

Riner já o tinha vencido confortavelmente quando os dois se enfrentaram no Masters de Doha, em janeiro, fazendo com que sua grande vantagem em altura e peso o revelassem.

A disputa foi para o golden score com Bashaev a um shido da desclassificação, mas, em menos de 30 segundos, Riner se colocou em uma posição ruim e rapidamente se viu sobre suas costas.

Um waza-ari foi concedido com o choque e o desânimo de Riner, que logo deu lugar à aceitação.

Teddy Riner perde para Tamerlan Bashaev
Foto: 2021 Getty Images

O judoca de 32 anos se preparou para a repescagem no dia seguinte e venceu Rafael Silva do Brasil, com um ippon dentro de um minuto.

Em seguida, veio a luta pela medalha de bronze com o velho rival HARASAWA Hisayoshi, em uma repetição da final do Rio. Riner prevaleceu quando Harasawa recebeu sua terceira penalidade shido após um minuto de golden score.

Com isso, o francês conquistou quatro medalhas em Jogos consecutivos, com a perspectiva de mais por vir na primeira prova Olímpica por Equipes Mistas no evento do dia seguinte.

Enquanto isso, Bashaev perdeu sua semifinal com o georgiano Guram Tushishvili com uma cortesia de um lançamento semelhante ao que ele derrotou Riner. A vitória sobre o ucraniano Yakiv Khammo levou Bashaev à conquista do bronze.

Tushishvili enfrentou o campeão olímpico dos 100kg do Rio, Lukas Krpalek pelo ouro. O tcheco precisou de quatro minutos do golden score para passar por Harasawa nas semifinais, e logo o enfrentou com duas penalidades shido vindo em sua direção.

Mas faltando 30 segundos, ele rebateu com um belo lance de sacrifício de Hikikomi-gaeshi para dar o waza-ari e, em seguida, segurou um Yoko-shiho-gatame por 10 segundos para completar a vitória.

Krpalek estava de joelhos gritando para o céu antes de cair em lágrimas. Ele ganhou uma segunda medalha de ouro em uma segunda categoria de peso.

Lukas Krpalek leva o ouro em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

O Japão e a França eram fortemente os favoritos do evento de Seleção Mista e não foi uma grande surpresa vê-los se enfrentarem na final.

Agbegnenou enfrentou a medalhista de ouro dos -70 kg do Japão ARAI Chizuru e, apesar de sua desvantagem de peso, venceu por cortesia de dois waza-aris com 30 segundos restantes.

A França estava com um placar de 2-0 quando Axel Clerget derrotou o rival de 90kg MUKAI Shoichiro no golden score, mas SONE Akira reforçou o seu ouro no individual dos + 78kg com uma vitória de ippon sobre a medalhista de bronze Romane Dicko.

Em seguida, foi a vez de Riner enfrentar o medalhista de ouro dos -100kg Aaron Wolf. O japonês lutou bravamente, apesar de uma enorme desvantagem em altura e peso, mas Riner finalmente fez seu tamanho valer quando ele rebateu uma tentativa de varredura de perna com um gancho próprio, deixando a França à iminência da vitória.

E o ouro estava garantido quando a medalhista de prata feminina dos -57 kg Sarah-Leonie Cysique levou a melhor sobre a medalhista de bronze YOSHIDA Tsukasa.

Riner pode ter perdido as duas medalhas de ouro que almejava, a dobradinha conquistada apenas por Agbegnenou em Tóquio, mas ele mostrou suas credenciais de campeão ao deixar a decepção para trás para ajudar sua equipe a um triunfo histórico.

Teddy Riner celebra o ouro por Equipes Mistas em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

4: Alegria em dobro para o Kosovo

O Kosovo comemorou intensamente há cinco anos, quando Majlinda Kelmendi conquistou o título feminino dos -52kg no Rio, sendo a primeira medalha do país em sua estreia nos Jogos Olímpicos.

Embora Kelmendi não tenha conseguido subir ao pódio desta vez, outras duas mulheres mostraram que o Kosovo é uma força importante no judô.

Na categoria 48kg feminino, Distria Krasniqi estava entre as favoritas, tendo conquistado o título mundial em junho. A bicampeã mundial Daria Bilodid perdeu o evento, mas com certeza passará por uma reorganização, assim como a atual campeã Olímpica da Argentina, Paula Pareto.

No entanto, foi uma desafiante da casa que tiraria dois dos grandes nomes, com a campeã mundial de 2017, TONAKI Funa derrotando Pareto nas quartas de final antes de surpreender a estrela ucraniana após três minutos do golden score.

Bilodid eventualmente levou o bronze enquanto Krasniqi avançava sem problemas para a disputa pela medalha de ouro.

A judoca do Kosovo foi moderada durante grande parte da final, mas explodiu para a vida com um arremesso de uchi-mata para dar um waza-ari 20 segundos antes do final.

Isso provou ser o suficiente, com Krasniqi seguindo o caminho de seu parceiro de treinamento Kelmendi até o topo do pódio Olímpico.

Distria Krasniqi em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

O feminino dos -57kg parecia um assunto aberto com a atual campeã mundial pelo Canadá Jessica Klimkait e a campeã de 2017 Yoshida Tsukasa ostentando o melhor currículo na competição global.

Nenhuma das duas chegou à final, pois Nora Gjakova Tsukasa nas semifinais e, Sarah-Leonie Cysique levou a melhor sobre Klimkait.

O final da final foi polêmico, quando Cysique foi julgada por ter mergulhado de cabeça no tapete ao tentar fazer um lance.

Por se tratar de um golpe perigoso, e que posteriormente deixou a francesa esfregando o pescoço, ela foi desclassificada com o ouro indo para Gjakova.

Foi um sucesso comovente para a pequena nação que estava de luto depois que um acidente rodoviário no dia anterior deixou 10 mortos, levando o presidente Vjosa Osmani a interromper sua estada em Tóquio e voltar para casa.

O número de medalhas de Kosovo agora é três, todas de ouro, todas no judô feminino.

Quero agradecer a Majlinda. Ela iniciou o caminho e apoiou a todas nós. Sem ela, o ouro de Distria e o meu ouro nunca teriam acontecido.

NORA GJAKOVA

Nora Gjakova leva o ouro em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

5: Ono domina uma vez mais

Liderando o caminho do Japão na competição estava ONO Shohei, que consolidou sua reputação como um grande lutador de todos os tempos ao manter seu título nos -73kg.

Com Ono selecionando e escolhendo seus torneios durante o ano, ele não foi escolhido para Tóquio na categoria de peso mais competitiva de todas. Antes dos Jogos, ele até falou que era “injusto” haver tantos atletas competindo em sua categoria.

Não importou, já que o judoca de 29 anos empatou com sua agressividade típica, resultando em ippons de marca registrada, incluindo um para derrotar o cabeça-de-chave Rustam Orujov nas quartas-de-final.

As coisas ficaram mais difíceis nas semifinais quando o mongo TSEND-OCHIR Tsogtbaatar defendeu de forma extraordinároa até os 40 segundos do golden score, quando Ono enganchou a perna e o lançou para dar um kosoto-gake, conquistando a vitória por waza-ari.

A final foi ainda mais difícil contra o medalhista de ouro em Londres 2012 e o medalhista de bronze no Rio 2016 Lasha Shavdatuashvili.

Apesar de pegar dois shidos no golden score contra o georgiano, Ono manteve a calma característica. Em quase cinco minutos e meio na prorrogação, com os dois homens visivelmente cansados, o favorito da casa finalmente prevaleceu com uma arrancada de pé para o waza-ari.

Não houve nada de histrionismo ou de lágrimas de outros medalhistas de ouro, apenas um sorriso satisfeito por completar sua missão. Como disse o grande lutador do judô e medalhista de ouro em Sydney 2000, INOUE Kosei, “Ele é a combinação perfeita de força, precisão e técnica”.

ONO Shohei leva o ouro em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

Uma última olhada

A medalhista de ouro no Rio 2016 Paula Pareto se aposentou do judô e já voltou ao hospital onde trabalha como médica.

A estrela argentina se lesionou na derrota nas quartas de final contra Tonaki Funa e claramente prejudicada na derrota na repescagem para a portuguesa Catarina Costa.

A judoca de 35 anos continua sendo a única medalhista de ouro Olímpica no individual feminino em seu país, e foi recebida com entusiasmo ao retornar à Vila dos Atletas pela última vez.

Teddy Riner falou de sua ambição de competir nos jogos em casa, enquanto a quatro vezes medalhista Idalys Ortiz, de Cuba, está avaliando a disputa pela quinta medalha.

Depois de desafiar os críticos que diziam que ela era muito velha, Tina Trstenjak não se comprometeu a tentar recuperar o título Olímpico da velha rival Clarisse Agbegnenou.

Já a atleta Olímpica de Verão feminina de maior sucesso na Eslovênia, Trstenjak fará quase 34 anos quando Paris chegar.

HAMADA Shori derrotou Madeleine Malonga para levar o ouro nos -78kg, vingando sua derrota na final do Campeonato Mundial de 2019 em Tóquio.

Hamada, de 30 anos, segurou a francesa logo no primeiro minuto e manteve por 20 segundos para vencer por ippon.

Tendo se tornado campeã Olímpica e dada a competição por vagas nas posições japonesas, Paris pode não ser seu objetivo.

Ono Shohei foi o medalhista de ouro sênior do judô masculino do Japão aos 29 anos, e a chance de igualar os três títulos Olímpicos consecutivos de NOMURA Taduhiro certamente o impulsionará a Paris.

O ex-campeão mundial Saeid Mollaei, agora representando a Mongólia após desertar do Irã, ganhou a prata nos -81kg após uma derrota final no golden score para NAGASE Takanori.

Mollaei foi ordenado a perder sua semifinal no Campeonato Mundial de 2019, assim ele não enfrentaria o israelense Sagi Muki na final.

Os dois se tornaram amigos pessoais e Muki saiu mais cedo da competição individual dizendo: "Estou muito feliz por ele ter conseguido realizar seu sonho. Ele merece; sua jornada é incrivelmente inspiradora”.

Aos 29, Mollaei pode ter dificuldade para estar nos próximos Jogos, mas Muki, de 25 anos, deve estar lá uma vez que ajudou Israel a conquistar o bronze no evento de equipes mistas.

Olá Paris 2024

As francesas serão uma força a ser considerada e estarão em casa em Paris 2024.

Em Tóquio, elas ganharam uma medalha de ouro, três de prata e duas de bronze, com outras medalhas de bronze de Teddy Riner e ouro na Equipe Mista.

Aos 28, Clarisse Agbegnenou deve ter mais uma Olimpíada pela frente, e com ela Amandine Buchard, Sarah-Leonie Cysique, Madeleine Malonga e Romane Dicko que são todas mais jovens.

Dito isso, a maioria das estrelas japonesas também deverá aparecer, com apenas Hamada Shori sendo dúvida, pois está na casa dos 30.

Os irmãos Abe - Uta de 21 anos e Hifumi de 24 - deverão estar lá, embora nada esteja certo, dada a intensa competição por vagas Olímpicas no Japão.

Quando e onde assistir os replays do judô no Olympics.com

A resposta é: olympics.com/tokyo2020-replays

Quando os melhores judocas competem novamente?

Alguns dos melhores judocas do mundo estarão de volta à ação no Grande Prêmio de Zagreb, que acontece de 24 a 26 de setembro.

O Grand Slam de Paris acontece em 16-17 de outubro e o Grand Slam de Baku, que acontece de 5-7 de novembro, fecha o ano de 2021.

Lista completa de medalhas no judô em Tóquio 2020

Feminino -48kg

Ouro – Distria Krasniqi (KOS)

Prata – TONAKI Funa (JPN)

Bronze – Daria Bilodid (UKR), MUNKHBAT Urantsetseg (MGL)

Feminino -52kg

Ouro – ABE Ute (JPN)

Prata – Amandine Buchard (FRA)

Bronze – Odette Giuffrida (ITA), Chelsie Giles (GBR)

Feminino -57kg

Ouro – Nora Gjakova (KOS)

Prata – Sarah Leonie Cysique (FRA)

Bronze – YOSHIDA Tsukasa (JPN), Jessica Klimkait (CAN))

Feminino -63kg

Ouro – Clarisse Agbegnenou (FRA)

Prata – Tina Trstenjak (SLO)

Bronze – Maria Centracchio (ITA), Catherine Beauchemin-Pinard (CAN)

Feminino -70kg

Ouro – ARAI Chizuru (JPN)

Prata – Michaela Polleres (AUT)

Bronze – Madina Taimazova (ROC), Sanne van Dijke (NED)

Feminino -78kg

Ouro – HAMADA Shori (JPN)

Prata – Madeleine Malonga (FRA)

Bronze – Anna-Maria Wagner (GER), Mayra Aguiar (BRA)

Feminino +78kg

Ouro – SONE Akira (JPN)

Prata – Idalys Ortiz (CUB)

Bronze – Iryna Kindzerska (AZE), Romane Dicko (FRA)

HAMADA Shori leva o ouro em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

Masculino -60kg

Ouro – TAKATO Naohisa (JPN)

Prata - YANG Yung Wei (TPE)

Bronze - Yeldos Smetov (KAZ), Luka Mkheidze (FRA)

Masculino -66kg

Ouro – ABE Hifumi (JPN)

Prata – Vazhe Margvelashvili (GEO)

Bronze – AN Baul (KOR), Daniel Cargnin (BRA)

Masculino -73kg

Ouro – ONO Shohei (JPN)

Prata – Lasha Shavdatuashvili (GEO)

Bronze – AN Changrim (KOR), TSEND-OCHIR Tsogtbaatar (MGL)

Masculino -81kg

Ouro – NAGASE Takanori (JPN)

Prata – Saeid Mollaei (MGL)

Bronze – Shamil Borchashvili (AUT), Matthias Casse (BEL)

Masculino -90kg

Ouro - Lasha Bekauri (GEO)

Prata – Eduard Trippel (GER)

Bronze – Davlat Bobonov (UZB), Krisztian Toth (HUN)

Masculino -100kg

Ouro – Aaron Wolf (JPN)

Prata – CHO Guham (KOR)

Bronze - Jorge Fonseca (POR, Niiaz Iliasov (ROC)

Masculino +100kg

Ouro – Lukas Krpalek (CZE)

Prata – Guram Tushishvili (GEO)

Bronze – Teddy Riner (FRA), Tamerlan Bashaev (ROC)

Aaron Wolf em Tóquio
Foto: 2021 Getty Images

Equipes Mistas

Ouro - França

Prata - Japão

Bronze - Alemanha, Israel

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual