Conheça Ahmad Badreddin Wais, Atleta Refugiado Bolsista e quatro vezes ciclista no Campeonato Mundial 

O ciclista nascido na Síria, que deixou seu país natal em 2014 e atualmente vive na Suíça, participou de quatro Mundiais de Estrada da UCI e espera fazer parte dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 em 2021. 

ZK Goh

Ahmad Badreddin Wais é um ciclista de estrada, que já participou quatro vezes do Campeonato Mundial, e é um Atleta Refugiado Bolsista do COI com o objetivo de fazer parte dos Jogos Olímpicos como parte da Equipe Olímpica de Refugiados do COI.

Badreddin, nascido em Aleppo, na Síria, em 1991, começou a praticar o esporte aos 14 anos de idade, mudando para a capital Damascus quando ele se juntou à equipe nacional.

Porém, após o início da guerra em seu país, ele tomou a decisão de deixar a Síria e escapar para a Europa, chegando em Lausanne, Suíça, onde a família de um amigo dele vivia.

Em seu novo país, ele continuou a treinar como ciclista, e eventualmente se mudou para Hindelbank próximo a Bern. Desde que deixou a Síria em 2014, ele competiu em quatro edições do Campeonato Mundial de Ciclismo de Estrada UCI ,de 2017 a 2020, no contra-relógio.

E, em junho passado, Badreddin conduziu um Treino Físico no Olympic Channel como parte das comemorações do Dia Olímpico.

Badreddin sempre foi um ciclista promissor, representando a Síria no Campeonato Mundial de Estrada Junior UCI de 2009 em Moscou, Rússia. Ele foi o primeiro ciclista sírio participante do Campeonato Mundial na categoria junior.

Em Moscou, ele competiu no evento contra-relógio, terminando na 61ª posição em uma disputa vencida pelo agora quatro vezes campeão nacional, o australiano Luke Durbridge. Badreddin continuou a se desenvolver como ciclista e colheu bons resultados ao terminar na 32ª posição na disputa de estrada do Campeonato Asiático em 2014.

Entretanto, naquele verão, ele rumou para a Suíça via Turquia. Sua família já havia procurado refúgio na Turquia alguns anos antes, mas ele decidiu ficar na Síria para treinar.

Ao falar no ano passado com o New Indian Express, ele disse: "Eu sabia que tinha que ir."

"Aqueles foram momentos muito difíceis na minha vida."

Sua mudança para a Suíça significou três anos fora de competições, e ele não voltou ao ciclismo até o Campeonato Mundial de 2017 em Bergen, Noruega, quando ficou na 60ª posição no contra-relógio.

Badreddin continuou a registrar resultados cada vez mais impressionantes no contra-relógio terminando em 16º nos Jogos do Mediterrâneo 2018 e em 9º lugar no Campeonato Asiático de 2019.

Ele também foi convidado a competir no campeonato nacional da Suíça, onde terminou na 17ª posição.

Com seus contínuos consistentes resultados, ele ainda espera conseguir uma vaga nos Jogos de Tóquio 2020 em 2021.