Retrospetiva do futebol Olímpico: da pioneira Grã-Bretanha ao Brasil bicampeão

EUA têm mais títulos no futebol feminino, enquanto o Brasil chegou na sétima medalha Olímpica em Tóquio 2020 no futebol masculino. Confira tudo sobre o futebol em Jogos Olímpicos e recorde a trajetória das seleções brasileiras.

Abhishek Purohit
Foto: Getty images

Tirando os primeiros Jogos Olímpicos de verão da era moderna, em 1896, e a edição de Los Angeles 1932, o futebol masculino tem sido presença regular a cada quatro anos no maior evento esportivo do mundo. A competição feminina, por seu lado, tem vindo a ser jogada desde Atlanta 1996.

Em Tóquio 2020, 16 nações participaram no torneio masculino enquanto 12 disputaram as medalhas no evento feminino. As seleções ficaram divididas em grupos de quatro com oito times se classificando para as quartas de final nos dois torneios.

Campeões da Rio 2016, o Brasil é a nação mais medalhada no futebol masculino
Foto: Getty Images

O Brasil foi o vencedor da competição masculina em Tóquio 2020 pela segunda edição consecutiva dos Jogos Olímpicos. O Canadá ganhou a prova feminina, na qual não esteve presente a vencedora da Rio 2016, a Alemanha, que não conseguiu se classificar.

Tóquio 2020 marcou a estreia do sistema de videoárbitro (VAR).

O torneio Olímpico de futebol tem vindo em constante evolução desde os Jogos de Paris 1900, onde três times -- Club Français de Paris, Upton Park de Londres e Université de Bruxelles de Bruxelas -- participaram. Cada um representandos seus respetivos países.

Seleções nacionais só entraram em jogo em Londres 1908 e os jogadores profissionais apenas foram autorizados a participar a partir de Los Angeles 1984.

Desde Barcelona 1992, o torneio Olímpico masculino é disputado por jogadores sub-23 anos, sendo autorizada a participação de três atletas com idades superiores desde Atlanta 1996. No torneio feminino não há restrições em termos da convocação das atletas.

A Hungria e a Grã-Bretanha são as nações com mais medalhas de ouro – três cada – no futebol masculino, enquanto Brasil, Argentina, União Soviética e Uruguai venceram o torneio Olímpico em duas ocasiões.

Os campeões Olímpicos, o Brasil, venceram um total de sete medalhas, incluindo três de prata e duas de bronze. Clique aqui para conferir a trajetória do Brasil em Jogos Olímpicos no futebol masculino.

A prova das mulheres tem sido dominada pelos EUA, que dos sete ouros em disputa venceram quatro, enquanto Alemanha, Noruega e Canadá já por uma vez também ganharam o título nos Jogos Olímpicos. Os EUA contam ainda com uma medalha de prata conquistada em Sydney 2000.

O Brasil nunca venceu o torneio feminino, mas a história das mulheres canarinhas tem tido momentos inesquecíveis. Clique aqui para conferir a trajetória do Brasil em Jogos Olímpicos no futebol feminino.

Richarlison cabeceia para o segundo gol do Brasil sobre a Alemanha pelos Jogos Tóquio 2020 em 2021
Foto: 2021 Getty Images

O líder Daniel Alves e o artilheiro Richarlison

Duas figuras se despediram de Tóquio 2020 como referências do Brasil bicampeão do torneio masculino: o líder Daniel Alves e o artilheiro Richarlison.

No caso do lateral, Daniel Alves chegou nos Jogos Olímpicos com 38 anos e 42 títulos na carreira. Figura carismática fora de campo, o atleta do São Paulo se tornou o futebolista com mais títulos conquistados na história do futebol com o ouro Olímpico, o título número 43 na carreira do jogador que iniciou sua trajetória profissional no Bahia e que atingiu o ápice na Espanha representando Sevilla e Barcelona, com passagens posteriores pelo PSG francês e pela Juventus italiana.

Embora o nome da final tenha sido o de Malcom, autor do gol que deu o ouro ao Brasil, Richarlison saiu de Tóquio 2020 com o estatuto de artilheiro! O Pombo, que joga no Everton da Inglaterra, fez 5 gols no torneio e teve um verão espetacular pelas várias seleções brasileiras, já que antes dos Jogos Olímpicos foi titular e fez um gol no vice-campeonato conquistado na Copa América.

O torneio feminino terminou antes do previsto para o Brasil de Marta e Formiga, que caiu nas quartas de final. Após apresentar um futebol convincente na fase de grupos, a seleção orientada por Pia Sundhage não conseguiu eliminar o Canadá, que viria a vencer a prova, caindo nos pênaltis por 4-3. Curiosamente, já tinha sido o Canadá a responsável por evitar que o Brasil vencesse a medalha de bronze na Rio 2016.

A principal nota da eliminação brasileira foi o adeus da volante Formiga, que em sua sétima participação Olímpica encerrou um ciclo ao serviço da seleção brasileira, embora continue jogando pelo São Paulo.

Lista de vencedores do futebol Olímpico

Campeões Olímpicos do futebol masculino
Ano Medalha de Ouro Medalha de Prata Medalha de Bronze
2020 Brasil Espanha México
2016 Brasil Alemanha Nigéria
2012 México Brasil República da Coreia
2008 Argentina Nigéria Brasil
2004 Argentina Paraguai Itália
2000 Camarões Espanha Chile
1996 Nigéria Argentina Brasil
1992 Espanha Polônia Gana
1988 União Soviética Brasil Alemanha Ocidental
1984 França Brasil Iugoslávia
1980 Tchecoslováquia Alemanha de Leste União Soviética
1976 Alemanha de Leste Polônia União Soviética
1972 Polônia Hungria União Soviética
Alemanha de Leste
1968 Hungria Bulgária Japão
1964 Hungria Tchecoslováquia Alemanha
1960 Iugoslávia Dinamarca Hungria
1956 União Soviética Iugoslávia Bulgária
1952 Hungria Iugoslávia Suécia
1948 Suécia Iugoslávia Dinamarca
1936 Itália Áustria Noruega
1928 Uruguai Argentina Itália
1924 Uruguai Suíça Suécia
1920 Bélgica Espanha Países Baixos
1912 Grã-Bretanha Dinamarca Países Baixos
1908 Grã-Bretanha Dinamarca Países Baixos
1904 Canadá Christian Brothers College (USA) St. Rose Parish (USA)
1900 Grã-Bretanha França Bélgica
Campeãs Olímpicas do futebol feminino
Ano Medalha de Ouro Medalha de Prata Medalha de Bronze
2020 Canadá Suécia EUA
2016 Alemanha Suécia Canadá
2012 EUA Japão Canadá
2008 EUA Brasil Alemanha
2004 EUA Brasil Alemanha
2000 Noruega EUA Alemanha
1996 EUA China Noruega

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual