Prata no skate, Rayssa Leal é a mais jovem medalhista Olímpica da história do Brasil 

A 'Fadinha' fez história aos 13 anos de idade em Tóquio 2020 em 2021. O skate volta em 4 de agosto com o park, também com brasileiros entre os favoritos.

Sheila Vieira
Foto: 2021 Getty Images

"A medalha pesa, com certeza. Mas é linda, não é?", disse Rayssa Leal após marcar seu nome na história do esporte brasileiro.

Após Tóquio 2020 em 2021, o Brasil certamente acredita em fadas e na força da juventude. Rayssa Leal, a 'Fadinha' de 13 anos, conquistou a medalha de prata na disputa do street dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, tornando-se a mais jovem medalhista Olímpica da história do país.

A marca anterior era da velocista Rosêngela Santos, que ganhou aos 17 anos o bronze em Beijing 2008 como parte do revezamento 4x100m do atletismo.

Esta é a terceira medalha do Brasil em Tóquio 2020, após a prata de Kelvin Hoefler no street masculino e o bronze de Daniel Cargnin no judô. Mais do que tudo, uma medalha que representa a renovação, a alegria e a esperança.

O ouro e a bronze ficaram com o Japão, respectivamente com NISHIYA Momiji, que também tem 13 anos (e agora a mais jovem medalhista Olímpica de ouro da história do Japão), e NAKAYAMA Funa, de 16. Nishiya marcou 15.26 na decisão, contra 14.64 da brasileira e 14.49 da sua conterrânea.

Em Tóquio, Rayssa vive o ápice de uma trajetória que começou aos oito anos, quando ela viralizou na internet com um vídeo vestida de fada fazendo tricks de skate. Na época, ela se inspirava em Leticia Bufoni. Apenas três anos depois, a maranhense já ocupava seu lugar na elite do skate mundial. Cinco anos depois, ela sobe ao pódio em Tóquio.

Com a entrada do skate no programa Olímpico, a popularidade de Rayssa aumentou bastante no Brasil. Agora, ela é muito mais do que uma sensação da internet. Ela é uma medalhista Olímpica, com vários Jogos Olímpicos pela frente.

Estou bem feliz de ser a mais jovem do skate dos Jogos do Brasil e de poder representar muito bem com 13 anos, isso é muito importante para todos nós.

- Rayssa Leal

Pâmela e Leticia fora da final por pouco

Extremamente segura em sua bateria, Rayssa Leal não zerou em nenhuma volta ou trick e conquistou altas notas para atingir a terceira colocação entre todas as skatistas nas eliminatórias.

Também cotada para o título, NISHIMURA Aori (JPN) parecia um pouco desconfortável durante a competição, mas somou o suficiente para avançar em quarto lugar.

Já pentacampeã dos X Games Leticia Bufoni ficou a uma vaga da final. Apesar de ter feito uma apresentação regular, um erro nos tricks acabou tirando a veterana da briga por medalhas. Uma das pioneiras do skate feminino, Bufoni é uma referência para a maioria das skatistas mais jovens, incluindo Rayssa.

"Claro que iam colocar muita pressão em mim. Acontece, eu sou um ser humano. Não cheguei muito bem no último trick. Mas estou super feliz de estar aqui, competindo nos meus primeiros Jogos Olímpicos. Siga seus sonhos, siga sua paixão. Se eu estou aqui, você também pode estar. [...] Já estou pensando em Paris 2024."

- Leticia Bufoni após a prova

A veterana também se emocionou com o resultado de sua pupila Rayssa na competição. "Hoje, ela é minha inspiração", ela disse.

Leticia Bufoni abraça sua pupila Rayssa Leal após a final do street em Tóquio 2020.
Foto: Lorena Encabo/OCS

Número 1 do mundo no street, Pâmela Rosa esperava por uma estreia Olímpica melhor. Ela sofreu duas quedas logo na primeira volta de sua bateria e recuperou-se logo em seguida com uma volta de 3.57. Porém, nos tricks, ela errou três vezes consecutivas e a última nota de 2.42 não foi suficiente para colocar a campeã mundial de 2019 na decisão, terminando em décimo.

Após a prova, Pâmela revelou que estava com pé lesionado.

Skate continua em Tóquio com brasileiros no park

skate em Tóquio 2020 é dividido em dois eventos diferentes: street (a pista simula objetos das ruas, como corrimãos e escadas e a criatividade é um importante componente) e o park (com uma pista com declives, ângulos e curvas, na qual os participantes vão ganhando velocidade e demonstrando manobras), ambos no feminino e no masculino. Com o street já finalizado, o park acontece nos dias 4 e 5 de agosto. Os brasileiros Luiz Francisco e Pedro Barros são terceiro e quarto colocados do ranking mundial, respectivamente, nesse evento.

Confira os skatistas brasileiros na categoria park:

  • Park feminino: Dora Varella, Isadora Pacheco e Yndiara Asp (4 de agosto)
  • Park masculino: Luizinho Francisco, Pedro Barros e Pedro Quintas (5 de agosto)

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual
Assine aqui Assine aqui