O exclusivo clube de atletas que alcançaram o pódio nos Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno

128 pessoas competiram nas duas versões dos Jogos Olímpicos, mas somente cinco atingiram um dos feitos mais incríveis no esporte: ganhar uma medalha nos Jogos de Verão e de Inverno. Essas são suas histórias incríveis.

Michele Weiss
Foto: Getty Images

Para muitos, competir nos Jogos Olímpicos é o auge da carreira de um atleta. Competir em vários Jogos, ainda mais. Mas e participar nas duas versões dos Jogos Olímpicos?

Na história dos Jogos Olímpicos modernos, somente 128 atletas participaram dos Jogos de Verão e de Inverno, e desses 129, apenas cinco ganharam medalhas nas duas competições.

O Olympics.com conta a seguir as histórias excepcionais desses atletas guiados por uma paixão Olímpica incondicional.

Eddie Eagan (USA) – Boxe e Bobsled

Jogos Olímpicos de Inverno Lake Placid 1932 - Time EUA: William Fiske, Edward Eagan, Clifford Gray e Jay O'Brien.

Três semanas antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1932 começarem em Lake Placid, o advogado americano e campeão Olímpico no boxe Eddie Eagan recebeu um telefonema de um antigo amigo. Era Jay O'Brien, do comitê Olímpico americano de bobsled: eles precisavam de mais uma pessoa para o quarteto dos EUA de bobsled! Eagan concordou, dizendo a sua esposa: "Adivinha só... Estou no time de bobsled dos EUA agora!"

Um veterano da Segunda Guerra Mundial, Eagan havia competido nos Jogos de Verão de 1920 na Antuérpia, ganhando o ouro na categoria meio-pesado do boxe.

Antes dos Jogos de Lake Placid, Eagan nunca havia pisado em um trenó de bobsled, mas isso acabou sendo um detalhe pequeno. Eagan e a equipe americana ganharam o ouro na competição de quartetos, tornando o americano a única pessoa da história dos Jogos a vencer o ouro em edições de verão e de inverno em disciplinas diferentes.

Jacob Tullin Thams (NOR) - Salto de esqui e Vela

Jacob Tullin Thams salta no evento de salto de esqui dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1924
Foto: Getty Images

Jacob Tullin Thams foi um dos melhores, senão o melhor saltador de esqui da década de 1920.

Porém, vivendo na Noruega, Thams se frustrava com a falta de eventos específicos de salto de esqui no seu país natal, onde o combinado nórdico (que junta o salto de esqui com o esqui cross-country) reina. Enquanto Thams era excelente no ar, ele não era muito bom no cross-country, e por isso nunca ganhava eventos do combinado nórdico em seu país.

No entanto, quando os primeiros Jogos Olímpicos de Inverno de Chamonix 1924 surgiram, Thams se arriscou no salto, ganhando o ouro na competição individual de pista longa. De sobra, Thams colocou seu nome na história como o primeiro medalhista de ouro Olímpico do salto de esqui.

Quatro anos depois, nos próximos Jogos de Inverno em St. Moritz, os atletas noruegueses novamente eram os nomes a serem batidos no salto de esqui. Porém, depois da primeira rodada de saltos, aconteceu um desentendimento a respeito das regras, com alguns atletas suíços acusando os noruegueses de covardia. Thams se ofendeu pessoalmente, então em vez de tentar um salto "normal" na segunda tentativa - que poderia ter dado a ele outra medalha Olímpica - ele decidiu tentar algo um pouco mais drástico. O norueguês pulou incríveis 73 metros, que teria sido um recorde mundial se ele tivesse cravado a chegada. Um provável pódio foi perdido, mas ninguém poderia chamá-lo de covarde!

Menos de uma década depois, nos Jogos de Verão de Berlin 1936, Thams, como membro da equipe de vela da Noruega do 8-metre, ganhou uma medalha de prata.

Christa Luding-Rothenburger (GER) – Patinação de velocidade e Ciclismo

Christa Luding (GER)

Uma pessoa que guarda um lugar único no Olimpo de medalhistas de Verão e Inverno - e de todos os atletas Olímpicos - é Christa Luding-Rothenburger: a primeira atleta a medalhar nos Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno no mesmo ano.

Em Sarajevo 1984, a alemã ganhou sua primeira medalha Olímpica, levando o ouro na competição de 500m da patinação de velocidade. Quatro anos antes, Luding-Rothenburger foi convencida por seu treinador a praticar ciclismo fora da temporada. Ela se provou tão perfeita para o esporte, que em 1986 ganhou o ouro no ciclismo de pista no Campeonato Mundial de Ciclismo - mas o triunfo real ainda estava por vir.

Em 1988, depois de ser campeã nas competições de 1000m e prata nos 500m da patinação de velocidade nos Jogos Olímpicos de Calgary, Luding-Rothenburger conquistaria a medalha de prata na competição de sprint do ciclismo nos Jogos de Seul, tornando-se a primeira atleta Olímpica a ganhar medalhas nos Jogos de Verão e de Inverno no mesmo ano!

Christa Luding, Erika Salumae e Connie Paraskevin no pódio do sprint do ciclismo em Seul 1988.
Foto: 1988 Getty Images

Clara Hughes (CAN) – Ciclismo e Patinação de velocidade

A extraordinária jornada de Clara Hughes culminou com o ouro em Turim 2006

A história da canadense Clara Hughes é uma lição dos valores Olímpicos. Clara era uma adolescente problemática até assistir na TV aos 1500m da patinação de velocidade, com o herói nacional Gaétan Boucher, e teve uma epifania: um dia ela também iria aos Jogos Olímpicos. A partir daquele dia, ela fez tudo para concretizar o sonho. Porém, a patinação precisou esperar. Clara foi notada por um treinador de ciclismo que sentiu o potential da adolescente. Foi um sucesso, já que em Atlanta 1996 ela ganhou a medalha de bronze na prova de estrada e também no contrarrelógio. Mas o melhor ainda estava por vir.

Depois da decepção nos Jogos Olímpicos de Sydney 2000, com apenas 27 anos Clara voltou à patinação de velocidade, sua paixão antiga. "É louco só pensar nisso", ela lembra. Mas sua determinação 17 meses depois a levou a Salt Lake 2002, onde ela conquistou um bronze nos 5000m. O conto de fadas continuou em Turim 2006, onde ela levou o ouro nos 5000m e prata na perseguição por equipes. Sua carreira Olímpica de inverno terminou em Vancouver 2010 com um bronze nos 5000m. No final, com seis pódios Olímpicos, Hughes é a atleta Olímpica de verão e de inverno mais bem-sucedida da história.

Lauryn Williams (USA) – Atletismo e Bobsled

Lauryn Williams e Jamie Greubel, dos EUA, durante treinamento. 
Foto: Getty Images

A americana Lauryn Williams também é guiada por um espírito Olímpico incondicional. Nos anos 2000, ela foi uma velocista competindo com Marion Jones (USA) e outras grandes velocistas da Jamaica. Ganhou a prata nos 100m em Atenas 2004 e o ouro no revezamento 4x100 em Londres 2012.

Entre os dois Jogos, a americana venceu três medalhas de ouro e uma prata no Campeonato Mundial de Atletismo e competiu nos Jogos Olímpicos Beijing 2008. Mesmo depois de pendurar as sapatilhas, seu desejo Olímpico nunca arrefeceu. Seis meses antes de Sochi 2014, ela colocou sua sapatilhas de velocista novamente para ser breakman no time de duas pessoas do bobsled americano. Ela ganhou a medalha de prata Olímpica na competição na Rússia (perdendo o ouro por um décimo de segundo), tornando-se a primeira atleta dos EUA a ter medalhas nas duas versões dos Jogos Olímpicos.