Alerta de medalha: ROC é ouro no revezamento masculino do esqui cross-country 4 x 10km em Beijing 2022

É a sétima medalha do ROC no esqui cross-country nestes Jogos Olímpicos de Inverno, a terceira de ouro. Noruega fica com a prata e França repete os bronzes de Sochi 2014 e PyeongChang 2018.

Virgilio Franceschi Neto
Foto: 2022 Getty Images

Evento de bastante resistência e que exige o máximo dos competidores, sendo as duas primeiras pernas realizadas no estilo clássico e as suas últimas no estilo livre, a final do revezamento 4x10km do esqui cross-country de Beijing 2022 teve um "tempero" a mais na tarde deste domingo, em Zhangjiakou.

Uma nevasca atingiu o circuito do Centro Nacional de Esqui, para uma prova em que a Noruega buscava novamente o bicampeonato Olímpico consecutivo, proeza antes alcançada apenas pelos próprios noruegueses (Nagano 1998 e Salt Lake City 2002) e pelos suecos (Sarajevo 1984 e Calgary 1988).

No entanto, não foi desta vez.

A Noruega largou em primeiro, mas logo no início foi ultrapassada pela equipe da ROC, que não deixou mais a liderança. No quarteto, três deles tinham sido medalha de prata em 2018. O ROC administrou a ponta conquistou o ouro, sua sétima medalha no esqui cross-country em Beijing 2022.

Ontem no revezamento feminino 4x5km e hoje no masculino 4x10km, foi mais um dia dourado para os atletas do ROC e o Olympics.com conta como foi.

Estilo clássico (primeira metade)

Logo no início da prova a equipe do ROC, com Alexey Chervotkin, assumiu a liderança e deixou a briga pelas medalhas de prata e bronze com os concorrentes mais diretos: os noruegueses (atuais campeões Olímpicos), os alemães (que não chegavam ao pódio desde Turim 2006), franceses (bronze nas duas últimas edições de Jogos) e - pelo menos nesta primeira parte - italianos (último pódio em Salt Lake City 2002).

A partir da metade da prova, quando os competidores passam a esquiar no estilo livre, as diferenças passaram a aumentar, salvo exceções. A disputa pelo bronze estava muito intensa, entre alemães e suecos, com pouca diferença entre si. No entanto, merece destaque a volta da Finlândia na briga por medalha: Iivo Niskanen (FIN) - ouro nos 15km clássicos e bronze no skiathlon em Pequim - recebeu em 11º e entregou a equipe em quarto lugar para o colega da terceira perna, Perttu Hyvarinen (FIN).

Estilo livre (metade final)

Tal avanço finlandês durou pouco. No início da terceira perna, Hyvarinen foi ultrapassado pelos adversários e a Finlândia foi parar na sexta posição. Os italianos, em sétimo, estavam bem atrás. Com o andamento da prova as diferenças aumentaram mais ainda e não apenas os finlandeses foram ficando para trás, como também os alemães.

Em grande recuperação, a França na terceira perna chegou ao quarto lugar com Clément Parisse, a apenas 1s8 do segundo colocado, Jens Burman (SWE).

O bolo entre o segundo, terceiro e quarto lugares estava formado.

ROC de ouro

Na última perna o duelo ficou reservado entre Sergey Ustiugov (ROC), Johannes Hoesflot Klaebo (NOR), Johan Haeggstroem (SWE) e Maurice Manificat (FRA). O norueguês Klaebo, um dos grandes nomes da história do esqui cross-country, disparou em busca do que poderia ser a sua segunda medalha de ouro na prova. Deixou a disputa do bronze entre Suécia e França e reduziu a diferença do líder Ustiugov, que era de mais de 50s para 42s5 em aproximadamente 3km.

Só que ainda havia bastante pela frente. A equipe sueca acabou sendo deixada para trás. Ustiugov (ROC) - único novato neste quarteto que foi pódio em PyeongChang 2018 - não queria desapontar os colegas e voltou a abrir a diferença em cima de Klaebo (NOR), disparou na ponta e na última volta já tinha mais de um minuto de vantagem (300m) sobre o segundo colocado.

Com quase duas horas de prova, Ustiugov cruzou a linha de chegada e, assim, o ROC tornou-se campeão Olímpico do revezamento 4x10km. Três dos quatro esquiadores (Bolshunov, Chervotkin e Spitsov) tinham sido medalhistas de prata quatro anos antes, nos Jogos de 2018. É a sétima medalha do ROC no esqui cross-country em Pequim: três de ouro, três de prata e uma de bronze.

Klaebo (NOR) e Manificat (FRA) se alternaram na vice-liderança, mas o norueguês - único remanescente do quarteto de ouro em PyeongChang 2018, conseguiu garantir a prata para a Noruega. A França, com metade da sua equipe reformulada, repete os bronzes de 2014 e 2018 - Manificat estava em 2014 e 2018, enquanto que Parisse apenas em 2018.

"Queríamos isso. Tentamos por muito tempo e não fomos capazes. Hoje tudo se alinhou. Tudo foi espetacular. O clima pareceu ser duro e havia bastante neve, mas para o nosso favor, tudo correu bem", disse Alexey Chervotkin, o primeiro do quarteto do ROC a competir.

Quando perguntado sobre o que ele sentia com a medalha conquistada, ele completou: "Ótimo. No momento ainda não me dei conta. Preciso de tempo. Mas é bem bacana".

Resultados finais

  • Ouro: ROC - 1h54min50s7 - Alexey Chervotkin - Alexander Bolshunov - Denis Spitsov - Sergey Ustiugov
  • Prata: Noruega - 1h55min57s9 - Emil Iversen - Paal Golberg - Hans Christer Holund - Johannes Hoesflot Klaebo
  • Bronze: França - 1h56min07s1 - Richard Jouve - Hugo Lapalus - Clément Parisse - Maurice Manificat

O esqui cross-country em Beijing 2022

O esqui cross-country continua nos Jogos Olímpicos de Inverno Beijing 2022 com a realização do sprint feminino por equipes nesta quarta dia 16 de fevereiro a partir das 17:00 hora local de Pequim (6:00 pela hora de Brasília).

Você pode acompanhar as emoções do esqui cross-country de Beijing 2022 com as transmissões do Olympics.com e dos canais Globo/Sportv para o território brasileiro.

CLIQUE AQUI para mais informações.

ENTRE NA ZONE!

Receba notícias de hóquei no gelo, vídeos, destaques dos Jogos Olímpicos de Inverno e muito mais.