Marta marca dois e Brasil goleia a China na estreia

Andressa Alves, Debinha e Bia Zaneratto completaram os 5 a 0 do Brasil sobre as chinesas. Neerlandesas são as próximas adversárias, no sábado

Virgílio Franceschi Neto
Foto: 2021 Getty Images

O Brasil começou com o "pé direito" no futebol dos Jogos Tóquio 2020 em 2021. A seleção feminina venceu a China no estádio de Miyagi por 5 a 0 (2 a 0 ao intervalo). A "Rainha" Marta fez dois gols (o primeiro e o terceiro). Andressa Alves, Debinha e Bia Zaneratto completaram o placar.

O primeiro tempo começou com as brasileiras dominando as ações e pouco a pouco chegando ao gol defendido por Peng. Não demorou muito para ser aberto o marcador: aos 8 minutos e meio, depois de um bate-rebate na área, a bola sobrou para Marta fazer o primeiro gol do jogo. Treze minutos mais tarde, aos 21, Debinha pegou o rebote da goleira chinesa após o chute de Bia Zaneratto e estufou as redes, 2 a 0!

A China não conseguia jogar diante do predomínio sul-americano, o que fez com que o treinador Jia Xiuquan fizesse a primeira substituição da partida logo aos 32 minutos, com a entrada da atacante Wurigumula no lugar da meia Wang Yan. O ritmo do jogo caiu e a primeira parte terminou com vantagem do Brasil por 2 a 0, com sete finalizações das brasileiras contra nenhuma das chinesas.

Marta comemora o seu primeiro gol sobre a China no jogo de abertura da seleção feminina do Brasil nos Jogos Tóquio 2020 em 2021
Foto: 2021 Getty Images

Entrada de Andressa Alves mudou o segundo tempo

A China voltou muito melhor na etapa complementar e obrigou a goleira Bárbara a fazer boas defesas que evitaram o que poderia ter sido o empate das asiáticas. A queda de intensidade do Brasil fez com que Pia Sundhage agisse e fizesse algumas mudanças na equipe. Aos 13 minutos Duda foi substituída por Andressa Alves, que mudou o panorama do ataque do Brasil. De imediato Debinha acertou a trave da China.

No entanto as chinesas continuavam a ameaçar e forçaram a goleira brasileira a fazer boas intervenções. Aos 28 minutos, saída de bola errada da China no campo de defesa, e Marta, de primeira, com a canhota precisa, acerta chute certeiro à esquerda de Peng. Três a zero. Foi o 12º gol de Marta em 5 edições de Jogos Olímpicos.

A partir de então o que se viu foi um Brasil protagonista em campo. Minutos mais tarde, Wang Xiaoxue comete pênalti em Andressa Alves. Ela mesma cobrou e fez o quarto gol. Havia tempo para mais e, no crepúsculo da partida, aos 44 minutos, mais uma saída errada das chinesas pela direita, Debinha rouba a bola, penetra na área e dá a assistência para Bia Zaneratto fazer o dela e dar números finais: 5 a 0.

Excelente vitória do Brasil logo na estreia.

Sobre o jogo

Justo no dia (21 de julho) em que uma seleção feminina do Brasil fez a estreia em um torneio Olímpico há 25 anos (empate em 2 a 2 contra a Noruega em Atlanta 1996) as brasileiras impuseram um marcador expressivo logo no primeiro compromisso. O Brasil teve 58,4% de posse de bola, contra 41,6% da China. Os chutes a gol foram 9 das brasileiras e 2 das chinesas. Foi uma partida com poucas faltas, 11 no total (7 para a China e 4 para o Brasil). A árbitra ucraniana Kateryna Monzul não deu nenhum cartão sequer.

Andressa Alves entrou no segundo tempo, deu novo ânimo para a equipe, sofreu pênalti e, na cobrança, marcou o seu gol.

"A Marta me deu a oportunidade de bater o pênalti obrigada por terem acordado cedo para torcer por nós".

-Andressa Alves, autora do quarto gol brasileiro

É a quinta participação de Marta em Jogos Olímpicos. Podia ter feito três gols no jogo (hat-trick) se tivesse cobrado o pênalti sofrido pela Andressa Alves. Comentou sobre isso e não escondeu a felicidade pela vitória.

"A Andressa chuta muito bem e senti que ela queria cobrar (o pênalti), um momento especial para ela. Aqui não tem vaidade, vamos trabalhar até o fim juntas. Começamos com o pé direito".

-Marta, sobre a vitória na estreia

Autora de um dos gols, Debinha foi um dos destaques da seleção brasileira, com boas roubadas de bola e 80% de precisão nos passes durante a partida.

"Fico feliz com as oportunidades. É chegar e fazer o trabalho. Ótimo início. Estávamos confiantes, sabíamos que se fizéssemos o que treinamos, sairíamos com a vitória e assim foi".

-Debinha, em comentário sobre o jogo

Ficha técnica

  • China 0: 12 Peng Shimeng, 2 Li Mengwen, 4 Li Qingtong, 16 Wang Xiaoxue, 17 Luo Guiping, 7 Wang Shuang, 13 Yang Lina, 6 Zhang Xin (20 Xiao Yuyi), 8 Wang Yan (18 Wurigumula), 11 Wang Shanshan (C) e 9 Miao Siwen (14 Liu Jing). Reservas: 13 Yang Lina; 15 Yang Man; 17 Luo Guiping; 21 Chen Qiaozhu, 22 Ding Xuan. Técnico: Jia Xiuquan.

  • Brasil 5: 1 Bárbara, 13 Bruna Benites, 3 Erika, 4 Rafaelle, 6 Tamires, 7 Duda (21 Andressa Alves), 8 Formiga (5 Júlia Bianchi), 17 Andressinha, 10 Marta (C) (12 Ludmila), 16 Bia Zaneratto e 9 Debinha. Reservas: 2 Poliana, 15 Geyse, 14 Jucinara e 18 Letícia. Técnica: Pia Sundhage.

  • Gols: Marta (aos 8:30 do primeiro tempo, Brasil 1 a 0), Debinha (aos 21 mintuos do primeiro tempo, Brasil 2 a 0); Marta (aos 28 minutos do segundo tempo, Brasil 3 a 0), Andressa Alves (aos 37 minutos do segundo tempo, Brasil 4 a 0) e Bia Zaneratto (aos 44 minutos do segundo tempo, Brasil 5 a 0).

Torneio feminino

O Brasil voltará a campo no próximo sábado, dia 24 contra os Países Baixos, às 8:00 (hora de Brasília), no Estádio de Miyagi. No mesmo dia, um pouco mais cedo (às 5:00 pela hora de Brasília), também no mesmo estádio, a China enfrentará Zâmbia.

Nos demais jogos desta terça-feira a Grã-Bretanha venceu o Chile por 2 a 0 enquanto que os Estados Unidos, quatro vezes campeão Olímpico do torneio feminino de futebol, perderam para a Suécia por 3 a 0. O Japão ficou no empate em 1 a 1 com o Canadá. Austrália e Nova Zelândia (sedes da próxima Copa do Mundo FIFA em 2023) fizeram um duelo entre vizinhas e vitória das "Matildas" (como são conhecidas as atletas da seleção australiana) por 2 a 1. Pelo mesmo grupo do Brasil, o F, os Países Baixos impuseram expressivo resultado sobre Zâmbia, 10 a 3.

A próxima rodada - a - é no sábado dia 24.