Jogos Paralímpicos de Inverno Beijing 2022: as estrelas que brilham no inverno e no verão

Não é tão incomum para os paralímpicos competirem em diferentes disciplinas. Mas a lista de atletas que competiram nos Jogos Paralímpicos de Inverno e de Verão é um pouco menor. Aqui está um guia com cinco mulheres incríveis...

Alison Ratcliffe
Foto: 2022 Getty Images

Oksana Masters, Estados Unidos da América

Oksana Masters tem dez medalhas paralímpicas em quatro esportes: biatlo e esqui cross-country nos Jogos Paralímpicos de Inverno e, remo e ciclismo nos Jogos de Verão.

Mas ela odeia mais que tudo quando as pessoas assumem que ela é algum tipo de super-humano que só precisa aparecer para vencer.

A importância da crença dos outros nela e sua falha em às vezes acreditar em si mesma são temas recorrentes, como ela disse ao Olympics.com. Isso começou com sua mãe, que “acreditava tanto em mim que eu queria provar que ela estava certa”.

Ela teve as duas pernas amputadas aos 14 anos e possui deficiência nas mãos, o que significa que ela deve colocar fita adesiva em suas luvas de esqui e nas empunhaduras.

Masters ganhou duas medalhas de ouro no ciclismo há seis meses nos Jogos Paralímpicos de Tokyo 2020, apenas 100 dias após uma cirurgia para remover alguns linfonodos e um tumor.

Ela pensava que não teria mais chance nos Jogos Paralímpicos.

Mas a transição entre quatro esportes e entre as disciplinas de verão e inverno forjou uma pessoa durona, quer Masters admita ou não.

“Essa transição não é tranquila, nem fofa, nem bonita”, disse Masters a Self.

“Você está, em teoria, o mais apto possível para o esporte de verão, e então você vai para o seu esporte de inverno. É como se você nunca tivesse dado certo em toda a sua vida".

“No ciclismo tudo é trabalhado, é tudo ombro, peito e bíceps. E esquiando, você perde o peito, os bíceps e os ombros, o esqui é mais dorsal e central”.

Birgit Skarstein, Noruega

Birgit Skarstein foi a primeira campeã paralímpica da Noruega, quando venceu no scull individual feminino PR1 em Tokyo 2020.

Ela foi a porta-bandeira da Noruega nos Jogos Paralímpicos de Inverno de PyeongChang 2018, onde terminou em sétimo lugar no esqui cross-country feminino de 5 km.

E se alguém duvidar de sua versatilidade, ela também estrelou o Skal vi danse? (Vamos dançar?) na televisão norueguesa.

Skarstein ficou paralisada da cintura para baixo devido a uma injeção epidural administrada incorretamente após um acidente em 2010.

Ela fez sua estreia paralímpica nos Jogos Paralímpicos de Inverno de Sochi 2014, e ficou perto do pódio do remo na Rio 2016.

Ela disse que o remo é sua prioridade. “Eu treino e participo de competições no esqui para me tornar uma remadora melhor e acho que isso é uma ótima combinação”, disse ela ao World Rowing.

“Mudar esportes e movimentos me permite treinar melhor, treinar mais e diminuir o risco de lesões. O remo me torna uma esquiadora melhor, pois me dá força e resistência, além de uma mentalidade competitiva".

“O esqui me dá as horas que preciso de treino de base".

Ela disse ao Olympics.com que ao priorizar Tóquio, ela fez algumas escolhas que podem diminuir suas chances em Pequim.

Mas ela sem dúvida se inspirará na revisão de sua própria experiência no Skal vi danse?

“Só porque você nunca viu, não significa que não seja real ou que não exista, ou que não possa ser feito”.

Jessica Gallagher, Austrália

A carreira de Jessica Gallagher foi marcada por uma sucessão de conquistas inéditas australianas.

Mas quando se trata de estreias, Gallagher fala sonhadoramente de sua estreia nos Jogos Paralímpicos de Inverno no esqui alpino paralímpico em Vancouver 2010.

“Vancouver foi a minha primeira participação em Jogos de Inverno, e foi realmente um novo e mágico país das maravilhas de inverno”, disse ela à Paralympics Australia.

“Senti essa energia realmente incrível porque sabia que faria minha estreia paralímpica pela Austrália no meu aniversário”.

O bronze de Gallagher no slalom em Vancouver fez dela a primeira mulher australiana a ganhar uma medalha em Jogos Paralímpicos de Inverno.

Ela se tornou a primeira atleta a representar a Austrália nos Jogos Paralímpicos de Verão e de Inverno quando competiu no salto em distância e no dardo em Londres 2012.

Por fim, ela se tornou a primeira australiana a ganhar medalhas nas duas versões dos Jogos Paralímpicos, graças ao bronze no contrarrelógio feminino de 1km no ciclismo paralímpico.

Ela também ganhou o bronze no slalom gigante feminino em Sochi 2014.

Mas ela diz que as apostas são maiores no esqui alpino, o qual um guia esquia na frente dos atletas com deficiência visual e comunica instruções por meio de um fone de ouvido bluetooth.

“A confiança exigida entre esquiador e guia é diferente de qualquer outra".

“As decisões e a comunicação que chegam por meio desses fones de ouvido acontecem em um décimo de segundo".

“Nos vários esportes em que competi, sem dúvida as corridas de esqui são as mais difíceis, porque uma vez que você adiciona velocidade e medo a uma perseguição, isso muda o jogo porque há consequências reais se erros forem cometidos”.

Momoka Muraoka, Japão

Momoka Muraoka é um esquiadora de coração.

Suas primeiras experiências no esporte em cadeira de rodas se concentraram no atletismo. Mas quando um amigo do atletismo a convidou para as pistas, ela ficou enfeitiçada pela “extraordinária sensação de velocidade e euforia que você realmente não pode experimentar em sua vida normal”.

Aos 17 anos, ela terminou em 5º no slalom gigante em Sochi 2014.

Em PyeongChang 2018, ela foi selecionada como porta-bandeira do Japão. Poucos atletas podem justificar essa honra tão plenamente.

As medalhas de esqui alpino de Muruoka incluem duas medalhas de bronze, duas de prata e uma de ouro no slalom gigante sentado.

Além disso, também havia a pequena questão de ter os Jogos Paralímpicos de Verão em seu país natal.

“No início, minha atitude era de um pouco de inveja que os Jogos Paralímpicos fossem realizados no Japão. Como concentrei todas as minhas energias em Pyeongchang 2018, não tinha fortes sentimentos por Tokyo 2020”, disse ela ao Toyota Times.

“No entanto, depois que PyeongChang 2018 acabou, comecei a sentir que queria tentar o atletismo novamente, algo que fazia quando criança".

“Se houvesse a menor possibilidade de eu competir [em Tóquio], eu queria tentar”.

Muruoka, que foi diagnosticada com mielite transversa quando tinha quatro anos, precisou de apenas dois meses de treinamento para quebrar o recorde japonês nos 100m.

Em Tokyo 2020, ela terminou em sexto lugar no T54 100m feminino.

“Me conscientizei como atleta depois de me dedicar ao atletismo paralímpico por um ano”, disse ela.

“Estava preocupada, mas aproveitei os Jogos Paralímpicos de 2020 porque consegui realizar um sonho no atletismo que eu tinha quando era pequena".

“Não me arrependi. Me senti revigorada".

Danielle Aravich, Estados Unidos da América

Como se competir nos Jogos Paralímpicos de Verão e de Inverno não fosse difícil o suficiente, Danielle Aravich compete em duas disciplinas com demandas contrastantes.

Em Tokyo 2020, ela correu o T47 400m feminino. Em Beijing 2022, ela buscará o sucesso no esqui cross-country e no biatlo.

“São dois sistemas completamente diferentes. Se você pensar no nórdico, é a sustentabilidade anaeróbica de longa distância. Para a velocidade, é apenas a contração rápida. Portanto, juntar os dois simultaneamente não é necessariamente benéfico um para o outro”, disse ela ao Washington Times.

Ela tinha pouca escolha em Tóquio, no entanto. A deficiência de Aravich – ela nasceu sem o antebraço esquerdo – apenas a qualifica para eventos de pista de velocidade.

Ela não se classificou em sua bateria em Tokyo, mas ela ainda pode se concentrar nos Jogos Paralímpicos de Inverno.

“Não tenho certeza de como será minha carreira no atletismo, especialmente porque investi muito no esqui nórdico e vejo um futuro muito longo para mim neste esporte. Então, sou realista com minhas expectativas”.

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual