Jaqueline Mourão após oitava presença Olímpica: "Valeu a pena lutar tanto para estar aqui"

Recordista brasileira de presença em Jogos Olímpicos se despede de Beijing 2022 quebrando mais uma barreira para o esporte do país.

Sheila Vieira
Foto: Alexandre Castello Branco/COB

A missão de Jaqueline Mourão no esporte brasileiro é quebrar barreiras e abrir portas. Ela fez isso mais uma vez nesta quarta-feira, 16 de fevereiro, em Beijing 2022.

Jaqueline, 46, encerrou sua oitava participação Olímpica disputando o sprint feminino por equipes do esqui cross-country, ao lado de Eduarda Ribera. Esta foi a primeira vez que o Brasil fez parte deste evento no feminino.

"Foi uma honra poder disputar esta prova. Tem sido uma experiência ótima representar o Brasil, agora com duas mulheres pela primeira vez no cross-country", disse Jaqueline ao Sportv. “Fizemos história mais uma vez. Muito bom poder compartilhar essa experiência com a Duda".

Quando estreou em Beijing 2022, Jaqueline quebrou o recorde de participações Olímpicas pelo país, superando o velejador Robert Scheidt, a jogadora de futebol Formiga e o cavaleiro Rodrigo Pessoa. Ela é a única mulher (e uma das quatro pessoas) a representarem o Brasil nos Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno.

"É muito bom poder levar minha história, fazer história novamente. Ser porta-bandeira outra vez. Valeu a pena lutar tanto para estar aqui", acrescentou a esquiadora, que carregou a bandeira brasileira pela terceira vez em uma cerimônia em Beijing 2022.

Vem aí a nona participação Olímpica?

Jaqueline também foi a primeira brasileira a disputar os campeonatos Olímpicos de ciclismo mountain bike e o biatlo. No entanto, sua jornada não se resume só aos seus feitos. Seu trabalho pelo desenvolvimento do esporte no Brasil se reflete tanto em Bruna Moura, que seria sua companheira em Beijing 2022 se não tivesse sofrido um acidente de carro antes de viajar, quanto em Duda Ribera.

“A Duda veio de um projeto, começou a esquiar com 11 anos e agora colhendo os frutos aqui. A gente teve a primeira clínica de rollerski específica para as meninas e tenho certeza que isso vai ser um estímulo a mais para elas continuarem a sonhar”, comentou Jaqueline. Bruna Moura foi sua pupila no mountain bike e no cross-country, além de receber a ajuda de Jaqueline quando precisou de uma cirurgia cardíaca.

Mas não pense que o fim da carreira competitiva de Jaqueline está chegando. Milano-Cortina 2026, aos 50 anos, é um projeto que está longe de ser descartado por ela.

“Quero ir de ano a ano. Acredito que posso contribuir com minha experiência para ajudar, tanto nos bastidores quanto nas competições. Agora, minha cabeça é voltar para meus filhos, mas não me vejo sem ser ligada ao esporte. Gosto muito de praticar. Vamos ver o que o futuro me agracia. É uma Jaque mais leve, que conseguiu tudo o que planejou, apesar dos percalços. Quero ir aos poucos, um ano após outro, e, quem sabe, fazer história novamente”, disse.

Jaqueline Mourão compete em Beijing 2022.
Foto: 2022 Getty Images

Participações Olímpicas de Jaqueline Mourão

  • Atenas 2004: ciclismo mountain bike
  • Turim 2006: esqui cross-country
  • Beijing 2008: ciclismo mountain bike
  • Vancouver 2010: esqui cross-country
  • Sochi 2014: biatlo e esqui cross-country
  • PyeongChang 2018: esqui cross-country
  • Tóquio 2020: ciclismo mountain bike
  • Beijing 2022: esqui cross-country

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual