Alerta de medalha: Erin Jackson faz história em 500m em Beijing 2022

Desde 1994 que uma patinadora estadunidense não vencia o evento. Prata para a japonesa Miho Takagi e bronze para Angelina Golikova (ROC).

Gonçalo Moreira
Foto: Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

A prova rainha da velocidade na patinação prometia entregar o primeiro ouro nestes Jogos Olímpicos de Inverno à primeira patinadora fora dos Países Baixos, já que até esse momento tinham sido as neerlandeses a dominar graças à dobradinha em 5000m/10000m de Irene Schouten e ao triunfo de Irene Wust em 1500m.

Em 500m era quase previsível que o cenário não se iria repetir, até porque os Países Baixos nunca ganharam o ouro Olímpico na disciplina.

Dito e feito. A medalha de ouro foi conquistada por Erin Jackson com um tempo canhão de 37,04s em Beijing 2022. Desde os três ouros consecutivos de Bonnie Blair (1988, 1992 e 1994) que uma mulher dos Estados Unidos não venciam em 500m.

A prata foi para a japonesa Miho Takagi, que gastou mais 0,08 centésimos de segundo do que a vencedora. Takagi soma duas medalhas de prata em Pequim, após ter feito o mesmo resultado em 1500m, enquanto o Japão adiciona mais um metal ao medalheiro que na patinação de velocidade contava com o bronze de Wataru Morishige em 500m masculino.

Quanto ao bronze, ficou com Angelina Golikova (ROC).

A anterior campeã Olímpica, Nao Kodaira, do Japão, acabou por patinar em 38,09s e ficou na 17ª colocação. Uma performance longe dos 36,94s registados pela mesma atleta em PyeongChang 2018 que permitiram vencer o evento com recorde Olímpico.

Rsultado dos 500m feminino:

  • Erin Jackson (EUA) – 37,04s
  • Takagi Miho (JPN) – 37,12s
  • Angelina Golikova (ROC) – 37,21s

Escrever certo por linhas tortas

Curiosamente, o ouro de Erin Jackson até podia nem ter acontecido.

Em uma daquelas histórias que dava um filme, a atleta que começou na patinação "inline" na Florida e que entretanto se especializou a patinar sobre o gelo, teve que confirmar o seu lugar na equipe Olímpica dos Estados Unidos por via das seletivas ("trials").

O problema é que a atleta caiu durante os 500m e em teoria ficou sem chance de poder representar o país nos Jogos Olímpicos, mesmo que Jackson fosse a número um mundial na época.

Num gesto altruísta e que representa os valores do Olimpismo, sua colega Brittanny Bowe, que já estava classificada nos 1000m e nos 1500m em Beijing 2022, decidiu abrir mão de sua vaga nos 500m por Jackson, que assim pode competir com a colega Kimi Goetz.

Quis o destino que finalmente os Estados Unidos pudessem classificar não duas, mas três atletas, e que Erin Jackson estava destinada a fazer história como a primeira atleta negra a vencer um ouro Olímpico na patinação de velocidade feminina. O mesmo aconteceu em Torino 2006 na patinação de velocidade masculina, quando Shani Davis venceu o primeiro de dois títulos em 1000m.

Shani Davis foi campeão em Torino 2006 e Vancouver 2006 em 1000m
Foto: © 2010 / Comité International Olympique (CIO) / HUET, John

A PATINAÇÃO DE VELOCIDADE COMEÇA AQUI!

Receba notícias de patinação de velocidade, vídeos, destaques dos Jogos Olímpicos de Inverno e muito mais.