Alerta de medalha: Corinne Suter bate Sofia Goggia e vence downhill feminino em Beijing 2022

Suíça faz descida segura e derrota a italiana, que era dúvida no evento e tentava defender o título após sofrer lesão há menos de um mês. Bronze também é da Itália, com a surpreendente Nadia Delago.

Foto: 2022 Getty Images

Nem Sofia Goggia, nem Lara Gut-Behrami. A campeã do downhill feminino em Beijing 2022 é a suíça Corinne Suter, que voou pela montanha nesta terça-feira, 15 de fevereiro, no Centro Nacional de Esqui Alpino, com 1min31s87.

Suter agora coloca seu ouro Olímpico junto a suas quatro medalhas em Mundiais. Em 2021, ela foi ouro e prata no downhill e super-G, respectivamente, além de prata e bronze nas duas provas, também nesta ordem, em 2019.

A suíça de 27 anos se tornou a primeira esquiadora a vencer o downhill Olímpico como campeã mundial desde a lenda americana Lindsey Vonn. "É o maior sonho da minha vida", comemorou Suter. "No final não sabia se tinha ido bem ou não, porque sentia que o vento estava contra mim, depois a meu favor, também de lado. Não foi fácil hoje", acrescentou.

Sofia Goggia, por sua vez, chegou perto de defender seu título de PyeongChang 2018, ficando 16 centésimos atrás de Suter. Antes de romper um ligamento e sofrer uma pequena fratura na perna em 23 de janeiro, a italiana era a franca favorita à prova.

Sua participação era dúvida até poucos dias atrás, mas ela compareceu e mostrou seu estilo arriscado que sempre traz recompensas. Goggia chegou a ficar um ano (dezembro de 2020 a 2021) invicta neste evento.

"Lamento pela última parte, acho que houve algumas partes da montanha em que tive vento contra mim, mas é algo que não dá para controlar. No final, estou feliz com meu resultado, porque estar aqui nos Jogos Olímpicos depois da minha queda em Cortina não era nem um pouco garantido", comentou Goggia.

"Encontrei uma força interior incrível em mim mesma e estava sendo guiada por uma luz. Estou feliz por ter dado tudo de mim para estar aqui hoje, de poder conseguir outra medalha", completou.

O bronze também é da Itália, com Nadia Delago, de apenas 21 anos, 57 centésimos mais lenta que Suter. No Mundial de 2021, foi 15ª no downhill. Sua melhor colocação em Copas do Mundo havia sido um sexto lugar em dezembro de 2021.

"É tão especial que estamos [ela e Goggia] aqui juntas. São meus primeiros Jogos com ela, é incrível", disse Delago sobre sua experiente compatriota.

A suíça Lara Gut-Behrami, que foi campeã na outra prova de velocidade em Beijing 2022, o super-G, foi apenas a 16ª.

A última prova do esqui alpino feminino individual é o combinado (downhill + slalom) em 17 de fevereiro.

GOSTA DE ESQUI ALPINO? TUDO ISSO PARA VOCÊ.

Receba notícias de esqui alpino, vídeos, destaques dos Jogos Olímpicos de Inverno e muito mais.