Com hat-trick de Richarlison, Brasil estreia com vitória em Tóquio 2020

Atacante em grande noite contribui na vitória do Brasil sobre a Alemanha por 4 a 2 em reedição da final Olímpica de 2016. Próximo adversário é a Costa do Marfim

Virgílio Franceschi Neto
Foto: 2021 Getty Images

Quase duas décadas depois o Estádio Internacional de Yokohama voltou a receber um Brasil e Alemanha, depois de ter sido palco da final da Copa do Mundo FIFA 2002. Quase 5 anos depois os dois países fizeram a reedição da última final Olímpica do torneio masculino de futebol.

O jogo foi uma história bem diferente da que foi na Rio 2016, quando os sul-americanos venceram nos pênaltis depois de empate no tempo regulamentar. Um primeiro tempo espetacular. Os 45 minutos iniciais viram um Brasil dominante em campo. Poucas vezes os alemães chegaram ao gol de Santos e levaram perigo. Foram 12 chutes a gol - e 11 finalizações - dos brasileiros contra apenas 2 dos europeus.

Esses números se traduziram em gols. Aos 7 minutos Richarlison abriu o placar depois de um rebote do goleiro Mueller. Aos 22, um passe rasteiro de longa distância de Claudinho encontrou Bruno Guimarães pelo lado esquerdo, que na ponta dominou e cruzou certeiro, na cabeça de Richarlison que, novamente, estufou as redes. Dois a zero. O predomínio brasileiro continuou e minutos mais tarde - de novo ele - Richarlison escapou pela esquerda, faz o domínio, puxa para a direita e coloca no canto do goleiro alemão. Bola na bochecha do gol. Trinta minutos, três a zero. Nos acréscimos do primeiro tempo Matheus Cunha desperdiçou um pênalti, bem defendido por Mueller.

Um pênalti que poderia dar tranquilidade para o Brasil, caso fosse feito o gol, porque o segundo tempo foi uma outra história.

Segundo tempo

Como era de se esperar, os alemães voltaram com outra postura no segundo tempo. Neutralizaram as ações do Brasil e foram pouco a pouco chegando e, em uma dessas vezes, Amiri acertou um chute da meia-lua, a bola engana o goleiro brasileiro e vai para as redes: três a um. A partir de então os brasileiros souberam conter os eventuais avanços da Alemanha e passaram a jogar com um a mais depois da expulsão do capitão alemão, Arnold.

Mesmo assim a seleção detentora do título Olímpico não conseguiu criar as chances para aumentar o marcador e, como diz a velha máxima do futebol: "quem não faz, toma".

Assim foi.

Ache, aos 39 minutos faz mais um gol para a Alemanha, que encosta no marcador. Três a dois e sinal de alerta ligado. Aquele pênalti no primeiro tempo poderia ter dado tranquilidade para a seleção.

Entretanto, nos minutos finais o Brasil passou a ter controle do jogo. Controlou-se emocionalmente e em pouco tempo criou mais chances do que havia criado na segunda parte inteira. Nos acréscimos Paulinho recebeu passe, penetrou na área, tirou da zaga e fuzilou no ângulo esquerdo de Mueller. Golaço. Bola no fundo da rede e números finais para a partida: 4 a 2, com comemoração em reverência a Oxóssi, o orixá caçador.

O capitão Daniel Alves (118 jogos e 8 gols pela seleção) sabia da importância da vitória na estreia e de como é difícil jogar contra os alemães.

"É uma grande honra estar aqui e jogar Tóquio 2020 representando o meu país, defender estas cores. Temos que tentar fazer o nosso melhor. Temos uma história para defender e defender um título Olímpico. Quando se enfrenta uma seleção forte como a Alemanha, temos que estar atentos porque eles sabem quando nos surpreender. Aprendemos com esta vitória, o jogo complicou e temos que estar ligados".

-Daniel Alves, sobre a partida na zona mista para o canal Sportv

Richarlison define para o terceiro gol do Brasil sobre a Alemanha na estreia do torneio de futebol dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 em 2021
Foto: 2021 Getty Images

Richarlison impecável

Há pouco mais de uma semana era escancarado o seu desapontamento depois da derrota - em casa - para a Argentina na final da Copa América, por 1 a 0. Era um símbolo de que algo surpreendente teria que acontecer, e logo. Dito e feito. Em forma de três gols - seu primeiro hat-trick na carreira -, a resposta foi dentro de campo nesta estreia do Brasil.

"É uma sensação inexplicável, meu primeiro hat-trick ainda mais com essa camisa, sonho realizado. Quando pedi a liberação (do Everton) foi para isso, honrar a camisa do Brasil. Noite inesquecível. Precisamos comemorar. Infelizmente só pude passar dois dias com a família, depois de uma Copa América em que fiquei abatido. Agradeço ao carinho de todos".

-Richarlison, sobre os três gols marcados e a vitória na estreia, na zona mista após o jogo para o Sportv

Quer seja em seu clube (Everton FC/ENG) ou pela seleção brasileira, o atacante capixaba é bastante conhecido não apenas pelo desempenho dentro de campo, mas fora dele também. Posiciona-se de maneira ativa nas redes em relação às causas do país. Tem ampla consciência do exemplo que é para os mais jovens. A regularidade dentro das quatro linhas aliado ao compromisso que estabelece diante do seu papel com a sociedade fazem dele uma grande referência.

Vai além deste hat-trick de Richarlison.

Literalmente, "de tirar o chapéu".

Ficha técnica

  • Brasil 4: 1 Santos; 15 Nino, 3 Diego Carlos; 13 Daniel Alves (C), 6 Guilherme Arana; 8 Bruno Guimarães, 5 Douglas Luiz; 11 Antony (7 Paulinho), 20 Claudinho (17 Malcom), 9 Matheus Cunha e 10 Richarlison (19 Reinier). Reservas: 12 Brenno, 2 Gabriel Menino, 4 Ricardo Graça e 18 Matheus Henrique. Técnico: André Jardine.

  • Alemanha 2: 1 Mueller; 2 Henrichs, 3 Raum, 4 Uduokhai; 5 Pieper (15 Torunarigha); 7 Richter (18 Loewen), 8 Arnold (C); 10 Kruse (6 Ache), 11 Amiri (9 Teuchert), 13 Maier e 17 Stach (16 Schlotterbeck). Reservas: 12 Brodersen e 22 Plogmann. Técnico: Stefan Kuntz.

  • Arbitragem: Ivan Barton (El Salvador); David Moran (El Salvador) e Zachari Zeegelaar (Suriname)

  • Gols: Ricarlison (BRA) aos 7 minutos (1 x 0); Richarlison (BRA) aos 22 minutos (2 x 0); Richarlison (BRA) aos 30 minutos (3 x 0); Amiri (GER) aos 56 minutos (3 x 1); Ache (GER) aos 84 minutos (3 x 2); Paulinho (BRA) aos 90 + 5 minutos (4 x 2)

  • Cartões: Amarelo para 5 Pieper (GER), 8 Arnold (GER), 17 Stach (GER), 5 Douglas Luiz (BRA), 2 Henrichs (GER) e 15 Torunarigha (GER). Vermelho para 8 Arnold (GER)

Torneio masculino

O Brasil voltará a campo no próximo domingo, dia 25 contra a Costa do Marfim, às 5:30 (hora de Brasília), também no Estádio Internacional de Yokohama. No mesmo dia, um pouco mais tarde (às 8:30 pela hora de Brasília), também no mesmo estádio, a Alemanha enfrentará a Arábia Saudita.

Nos demais jogos desta quinta-feira, Espanha e Egito ficaram no empate sem gols, enquanto que a Nova Zelândia começou bem com um triunfo sobre a República da Coreia por 1 a 0 com gol de Chris Wood, que atua no futebol inglês; o México (campeão Olímpico em 2012) conseguiu uma excelente vitória sobre a França por 4 a 1 (1 a 0 ao intervalo). Pelo mesmo grupo de Brasil e da Alemanha, a Costa do Marfim obteve uma boa vitória sobre a Arábia Saudita por 2 a 1.

Nos demais jogos da primeira rodada, a Austrália conseguiu histórico resultado com vitória de 2 a 0 sobre a bicampeã Olímpica, a Argentina (em Atenas 2004 e Beijing 2008). A Romênia venceu Honduras pelo placar mínimo, 1 a 0. Para finalizar, o Japão superou a África do Sul também por 1 a 0.

A 2ª rodada do torneio masculino de futebol acontece no próximo domingo, dia 25.