Cinderelas Olímpicas: o inesquecível ouro de Steven Bradbury na patinação de velocidade em pista curta

Muitas surpresas acontecem a cada edição de Jogos Olímpicos. Alguns atletas estão longe de serem medalhistas, mas conquistam uma e inspiram milhares de pessoas. O Olympics.com relembra uma das vitórias mais inesperadas da história.

Chiaki Nishimura

Você nunca pode ter certeza do que vai acontecer até cruzar a linha de chegada. Assim é a patinação de velocidade em pista curta: em uma casca de nozes.

Ao contrário da patinação de velocidade em pista longa, na pista curta seis atletas competem uns contra os outros e brigam por posições. Os choques são inevitáveis e os acidentes se tornam regulares. O fato de serem obrigados a usar capacetes dá uma ideia da natureza às vezes caótica desse esporte. E os torcedores estão acostumados a ver rápidas e emocionantes corridas, em que ninguém sabe o que vai acontecer.

Na final masculina dos 1000m em Salt Lake City 2002, os últimos quatro segundos mudaram tudo. Relembre a inesquecível história de Steven Bradbury, que se tornou o primeiro atleta australiano a ganhar uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno.

O último homem em pé

Alguém poderia haver previsto um final assim?

Steven Bradbury competiu em quatro edições de Jogos Olímpicos de Inverno (Albertville 1992, Lillehammer 1994, Nagano 1998 e Salt Lake City 2002). No entanto, ele nunca se destacou em nenhuma competição importante a não ser nos eventos de revezamento, até os Jogos de Salt Lake City. Antes de 2002, o melhor resultado individual do australiano em uma competição Olímpica foi um oitavo lugar obtido na prova dos 500m em Lillehammer 1994.

Mas tudo isso iria mudar em Salt Lake City, quando a sorte esteve do seu lado.

Com 28 anos na ocasião, ele terminou em terceiro nas quartas de final dos 1000m, mas avançou para a fase seguinte com a desclassificação do então campeão mundial, o canadense Marc Gagnon. Na semifinal, o patinador australiano era o azarão, mas vários patinadores se chocaram e acabaram de fora da prova, o que fez Bradbury passar para a final.

Talvez depois de ver a infelicidade do acidente com os seus adversários na semifinal, Bradbury decidiu evitar o pelotão da frente na final para minimizar o risco de queda. No início da corrida, Bradbury manteve uma distância segura dos outros quatro patinadores, ficando para trás na última posição. No entanto, quando eles fizeram a curva final, a corrida mudou em um piscar de olhos. Dois dos patinadores que estavam à frente se chocaram, causando a queda dos quatro primeiros.

Bradbury, que vinha atrás, evitou a colisão e passou pelos rivais para levar o ouro. O último homem em pé cruzou terminou em primeiro lugar, enquanto seus adversários ainda estavam espalhados pelo gelo, tentando cruzar a linha de chegada.

Uma medalha conquistada com sangue, suor e lágrimas

O rosto de Bradbury era uma imagem de não parecer acreditar quando ele cruzou a linha de chegada e, após a corrida, ele considerou o ouro como uma recompensa pelos esforços feitos ao longo de toda uma carreira.

"Vou aceitar esta medalha de ouro. Mas não pelos 90 segundos da corrida, vou aceitá-la pelos 14 anos de trabalho árduo", comentou Bradbury.

Como muitos outros atletas, Bradbury precisou superar lesões e decepções ao longo de mais de uma década no esporte. Em 1995, ele se envolveu em um acidente no qual perdeu uma grande quantidade de sangue e recebeu mais de 100 pontos, após a lâmina de outro patinador cortar acidentalmente sua coxa. E apenas dois anos antes dos Jogos de Salt Lake City, ele quebrou duas vértebras no pescoço em um acidente durante um treinamento, que quase encerrou sua carreira.

Portanto, dedicar este título ao trabalho árduo e à persistência, parecia a maneira perfeita de receber a primeira medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno conquistada por um atleta australiano.

A imprensa do mundo todo entrevista Steven Bradbury, o primeiro atleta da Austrália medalhista de ouro em Jogos Olímpicos de Inverno, nos 1000m da patinação de velocidade em pista curta em Salt Lake City 2002

Quem chegou em segundo?

Enquanto o medalhista de ouro deixou uma forte impressão no mundo esportivo, o segundo colocado se tornaria uma lenda no esporte.

Enquanto os quatro patinadores, caídos, tentavam rastejar até a linha de chegada, o que foi o mais rápido foi o favorito local Apolo Anton Ohno, que conseguiu se esticar para obter o segundo lugar.

Ao contrário de Bradbury, que estava próximo do fim da carreira, Salt Lake City 2002 marcou a estreia de Ohno nos Jogos. Dias depois de faturar a prata, Ohno foi ouro nos 1500m, antes de somar mais seis medalhas em Torino 2006 e em Vancouver 2010.

O medalhista de prata Apolo Anton Ohno cumprimenta o de ouro, Steven Bradbury 

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual