Carol Gattaz supera traumas e faz estreia Olímpica no vôlei à beira dos 40

O time feminino de vôlei do Brasil chega a Tóquio 2020, em 2021, mais uma vez na briga pela medalha de ouro. A equipe ficou com o vice-campeonato da Liga das Nações, em Rimini, na Itália, com derrota por 3 a 1 para os EUA na decisão. 

Sheila Vieira
Foto: FIVB

Campeã em Beijing 2008 e Londres 2012, a seleção feminina de vôlei tentará em Tóquio 2020 superar a decepção na Rio 2016, quando caiu nas quartas de final para a China.

Após a final da Liga, o treinador José Roberto Guimarães fez os últimos cortes antes de Tóquio 2020, disputado em 2021. A levantadora Dani Lins e a oposto Sheilla Castro foram as jogadoras mais conhecidas que estavam na Liga e foram retiradas da lista do Japão. O elenco é composto por veteranas com grande experiência em eventos internacionais. Porém, uma jogadora de 39 anos fará apenas agora a sua esperada estreia nos Jogos Olímpicos.

Enfim, chegou a vez de Carol Gattaz.

A central, bicampeã brasileira pelo Minas, foi convocada para a seleção pela primeira vez há 18 anos e ficou muito perto de ir a Atenas 2004 e Beijing 2008, mas foi cortada nas duas ocasiões. No caso dos Jogos na China, ela foi retirada da lista a poucos dias da viagem, uma experiência que marcou Gattaz.

"Aquele foi talvez o maior trauma da minha carreira de atleta. Eu me esforcei nos quatro anos de período Olímpico, e ser cortada foi muito dolorido".

- disse Carol Gattaz ao UOL

Gattaz caiu de rendimento e deixou de ser convocada para a seleção por 11 anos, ficando de fora de Londres 2012 e da Rio 2016 em casa. No entanto, Zé Roberto reconheceu a boa fase da central no Minas e deu a ela uma nova chance na equipe.

O resultado não poderia ter sido melhor: Gattaz foi escolhida para a seleção das melhores da Liga das Nações 2021 (assim como Tandara e Gabi), e está confirmada em seus primeiros Jogos Olímpicos a um mês de completar 40 anos.

"Confesso que, muitas vezes, eu me questionei se deveria continuar jogando e aquela menina de 22 anos nunca desistiu. Então, de alguma forma, eu tenho de agradecer àquela menina por ter lutado por seus objetivos e sonhos. Se aquela menina não tivesse lutado tanto, a Carol de 39 anos não estaria aqui hoje".

- disse Gattaz ao Universa, do UOL

Convocação da seleção brasileira feminina de vôlei para Tóquio 2020

Levantadoras: Macris e Roberta

Ponteiras/Opostos: Tandara, Rosamaria, Natália, Fernanda Garay, Gabi e Ana Cristina

Centrais: Carol Gattaz, Carol e Bia

Líbero: Camila Brait

Jogos da seleção feminina de vôlei do Brasil em Tóquio 2020

Grupo A: Brasil, Japão, Quênia, República da Coreia, República Dominicana, Sérvia.

25 de julho – Brasil x República da Coreia - 21:45 (horário de Tóquio) e 9:45 (horário de Brasília)

27 de julho – Brasil x República Dominicana - 19:40 (horário de Tóquio) e 7:40 (horário de Brasília)

29 de julho – Japão x Brasil - 19:40 (horário de Tóquio) e 7:40 (horário de Brasília)

31 de julho – Sérvia x Brasil - 16:25 (horário de Tóquio) e 4:25 (horário de Brasília)

2 de agosto – Brasil x Quênia - 21:45 (horário de Tóquio) e 9:45 (horário de Brasília)