Basquete: Kevin Durant e Luka Doncic querem a final em Tóquio 2020

EUA vs Austrália e Eslovênia vs França jogam as semifinais do basquete Olímpico masculino no dia 5 de agosto. Confira a prévia e o horário das partidas em Tóquio 2020.

Gonçalo Moreira
Foto: 2021 Getty Images

O torneio Olímpico de basquete masculino entra na fase da briga pelas medalhas com EUA, Austrália, Eslovênia e França em condições de jogarem à final em Tóquio 2020.

Na Saitama Super Arena o favoritismo tem que ser dado aos EUA, que procuram a 16ª medalha de ouro. Desde os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna, em Atenas 1896, nenhuma nação conseguiu vencer 15 medalhas de ouro em esportes coletivos pelo que a lenda norte-americana pode continuar aumentando.

Vamos olhar para as partidas das semifinais em Tóquio 2020.

Kevin Durant liderou o Team USA contra a Espanha
Foto: 2021 Getty Images
  • EUA vs Austrália | 5 de agosto à 1:15 (horário de Brasília)

Tricampeões Olímpicos eliminaram a Espanha por 95-81, em reedição das finais Olímpicas de 2008 e 2012. Kevin Durant anotou 29 pontos e seu acerto no tiro exterior iniciou um parcial de 22-6 no terceiro período que virou o placar após os EUA irem perdendo de 10 pontos no primeiro tempo.

Kevin Durant avisou que as semifinais não chegam para os EUA. “A gente está numa boa fase nesse momento. Cada um começa a entender seu papel e a sentir maior conforto dentro do time. Você tem que finalizar. As pessoas esperavam nos ver aqui. Para nós o objetivo é o ouro.”

Se esperava que Kevin Durant fosse o general dos EUA e o jogador de Brooklyn Nets tem liderado com 24,8 pontos por jogo, bem assistido por Jayson Tatum (20,6 de média)‎. Por agora têm aparecido menos os últimos em chegar: Khris Middleton e Jrue Holiday deram a Milwaukee o primeiro campeonato em 50 anos ganhando dos Phoenix Suns de Devin Booker, mas se esperam maiores contributos dos três finalistas da NBA na fase decisiva nos Jogos Olímpicos.

Em caso de vitória dos EUA no basquete masculino em Tóquio 2020, Kevin Durant iguala as três medalhas de ouro de Carmelo Anthony. A seleção norte-americana partiu para Tóquio 2020 com 96,5 por cento de vitórias no basquete Olímpico.

Já a Austrália aplicou o maior corretivo das quartas de final: 97-59 em cima da geração de ouro da Argentina que se apresentou com veteranos como Luis Scola, que aprovitou para dizer adeus à seleção. Os “aussies” tiveram cinco atletas acima dos 10 pontos na partida e terminaram com 17 triplos. Patty Mills tem sido a referência com média de 20,8 pontos por jogo.

Pela quinta vez a Austrália vai jogar a semifinal do basquete masculino Olímpico e sempre que chegou até aqui acabou perdendo – na Rio 2016 perdeu o bronze por um ponto para a Espanha.

No histórico dos Jogos Olímpicos, EUA e Austrália se cruzaram em Seul 1988 na partida pelo bronze e nas semifinais em Atlanta 1996, sempre com vitória dos norte-americana. Este será o segundo de dois confrontos em Tóquio 2020, já que nas quartas de final do torneio feminino os EUA eliminaram as "aussies" por 79-55.

Luka Doncic com Klemen Prepelic e Mike Tobey celebrando em Tóquio 2020
Foto: 2021 Getty Images
  • Eslovênia vs França | 5 de agosto às 8:00 (horário de Brasília)

A Eslovênia está fazendo a estreia em Jogos Olímpicos e não perdeu tempo vencendo o Grupo C e despachando a três vezes medalhada Espanha. O jogo que definiu a vitória no grupo – e que acabou condenando os espanhóis ao duelo com os EUA nas quartas – foi uma batalha tática em que Luka Doncic foi neutralizado com uma defesa zona. A estrela de Dallas Mavericks foi condicionada a 12 pontos, mas mostrou versatilidade sendo o municiador do ataque esloveno com 9 assistências e dominando as segundas bolas pegando 14 rebotes.

Mentalmente a Eslovênia mostrou estar preparada, já que esteve 34 minutos perdendo com a Espanha e com Doncic bem marcado. “Não esperávamos isso (a estratégia defensiva), mas eles basicamente tinham 2 ou 3 homens comigo por isso tive que encontrar os tiros abertos (para os companheiros)”, explicou Luka.

O técnico Aleksander Sekulic montou um time super ofensivo e prova disso foi a vitória de 94-70 sobre a Alemanha nas quartas de final com 27 pontos de Zoran Dragic (Baskonia - ESP), no entanto, uma nota para o trabalho nas tabelas de Mike Tobey que lidera em Tóquio 2020 no rebote (9,3 de média). Na fase de grupos os balcânicos venceram por +8 Espanha/+35 vs Japão/+18 vs Argentina.

A rival França está on fire! Venceu o Grupo A ganhando aos EUA (83-76) com 28 pontos de Evan Fournier (Boston Celtics), que voltou a brilhar nas quartas de final contra a Itália. O clássico da velha Europa terminou 84-75 e além dos 21 pontos de Founier, Rudy Gobert (Utah Jazz) anotou 22 e Nicolas Batum (LA Clippers) comandou “Les Bleus” com duplo-duplo (14 pontos/15 rebotes). Os 49 rebotes pegados pelos franceses mostram que nunca dão a bola por perdida e que as porcentagens de lançamento têm margem para melhorar (sobretudo no tiro exterior – 7 triplos em 22 tentados nas quartas de final podem não chegar para jogar a final em Tóquio 2020).

A França foi bronze nos últimos dois Campeonatos do Mundo e em Jogos Olímpicos venceram duas medalhas de prata (Londres 1948 e Sidnei 2000, perdendo para os EUA em ambas ocasiões). Já sem o lendário Tony Parker, mas com uma geração baseada na NBA, a França procura traduzir o talento em títulos, algo que só conseguiu na Eurocopa de 2013.

SEJA OLÍMPICO, GANHE TUDO ISSO.

Eventos esportivos ao vivo gratuitos. Acesso ilimitado a séries. Notícias e destaques olímpicos sem igual