Atletas Olímpicos compartilham o que a saúde mental significa para eles

Das campeãs Olímpicas Mikaela Shiffrin e Kendall Coyne aos estreantes Olímpicos Kagiyama Yuma e Dmitrii Kozlovskii, pedimos aos atletas de inverno de elite que descrevessem sua relação com a saúde mental.

ZK Goh
Foto: USA TODAY Sports / Olympic Channel / Getty Images (composite)

.A discussão em torno da saúde mental nos esportes nunca foi tão forte.

Um tópico em ebulição por muitos anos, explodiu na consciência pública em 2021 graças a Naomi Osaka no tênis e ginasta Simone Biles, que falou abertamente sobre suas lutas.

O assunto, compreensivelmente, ganhou uma nova vida durante a pandemia, e os atletas – que há muito estão acostumados a se apresentar nos mais altos níveis, muitas vezes mantendo suas dificuldades de saúde mental em segredo – estão felizes que a conversa finalmente esteja aberta.

Antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing 2022, perguntamos aos melhores atletas de inverno do mundo, que estarão na capital chinesa, o que o tema da saúde mental significa para eles.

Atletas: “Nós não somos máquinas”

As esquiadoras alpinos Mikaela Shiffrin, dos EUA, e Petra Vlhová, da Eslováquia, competidores nas pistas de esqui, mencionaram a pressão exercida sobre Biles antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 em 2021.

Biles, que sofria dos 'twisties' – um bloqueio mental que a impedia de executar seus movimentos no ar – desistiu de quatro de suas cinco finais.

Shiffrin disse: "Eu não sei se há algum atleta no mundo na história que esperava vencer com tanta certeza quanto ela. Na opinião de todos, essa é uma posição fácil de se estar.

"Mas para ela, quero dizer, eu conheço essa posição. Nunca é fácil vencer. Nunca é fácil fazer o que ela está fazendo. Isso é mais difícil do que qualquer coisa que alguém possa imaginar. E estar na posição em que se espera que você faça isso torna é ainda mais difícil.

"As pessoas são muito rápidas em fazer julgamentos e têm opiniões sobre algo que não conseguem entender, mesmo que você esteja nessa posição ou algo semelhante."

Vlhová acrescentou: "Todo mundo estava pensando que ela é a melhor e ela tem que ganhar o tempo todo. E não é assim porque ela não é uma máquina. Ela ainda é humana. Ela é uma mulher. Então às vezes é normal ela cair, sabe.

"Somos iguais, como pessoas normais. Talvez tenhamos algum talento dentro porque somos bons, sabemos vencer, mas ainda somos humanos. Não somos máquinas."

O dançarino de gelo canadense Paul Poirier concordou que a ideia de que atletas Olímpicos e atletas de ponta precisam ser sempre os melhores pode ser prejudicial.

"Como atleta, isso é algo que realmente assumimos e carregamos nos ombros", disse ele.

"Eu acho que realmente existe uma cultura no esporte de precisar ser autossuficiente o tempo todo, pensando que você pode sempre fazer mais, e que você sempre pode continuar se esforçando.

"Acho que às vezes é um desafio, especialmente no mundo do esporte, dar um passo atrás e dizer que estou lutando ou estou machucado ou preciso de ajuda, e estamos realmente programados para deixar essas coisas de lado. .

"Estamos tentando alcançar coisas incríveis, mas também somos humanos. E porque nosso trabalho são nossos corpos, às vezes é difícil separar essas duas coisas."

A saúde mental como parte da saúde física

Assim como os atletas precisam estar em boa forma física para ter o melhor desempenho possível em seus eventos, um número cada vez maior deles está começando a incluir a saúde mental nessa conversa.

A jogadora de hóquei no gelo, medalhista de ouro Olímpica Kendall Coyne Schofield, capitã da seleção feminina dos Estados Unidos, diz que gostaria que mais pessoas apreciassem esse ponto de vista.

“Acho que a saúde física de um atleta é frequentemente mais comentada porque você pode vê-la”, disse ela. "Você pode ver alguém levantando pesos na sala de musculação ou você pode vê-los arremessando discos e ver o quão difícil é o seu arremesso. E então eu acho que muitas vezes a força física de um atleta é mais discutida.

"Mas a força mental de um atleta é igualmente importante. Precisa ser forte, tão forte quanto você é fisicamente se quiser competir no mais alto nível.

"O aspecto mental do jogo é definitivamente levado a sério aqui pelo nosso programa, pelos nossos jogadores. E sabemos que é tão importante quanto a nossa força física é a nossa força mental".

Essa também é uma visão compartilhada por Dmitrii Kozlovskii, um patinador artístico que representará a equipe ROC em Pequim.

"É provavelmente um dos principais componentes do esporte", disse ele.

"Há muitos exemplos em que vimos com nossos próprios olhos, atletas insanamente talentosos, atletas realmente excepcionais, que não conseguiram superar esse bloqueio mental e psicológico.

"Além de treinar fisicamente e ser responsável por isso, um atleta também deve ter uma abordagem responsável em sua reabilitação e recuperação mental. Nossas capacidades mentais tendem a se desgastar."

O espanhol Ander Mirambell, que participará de sua quarta Olimpíada quando for para a pista de skeleton na China, concordou.

"Eu acho que a sociedade ainda não está pronta para entender que a mente é tão importante quanto o corpo", disse ele quando perguntado se a saúde mental continua sendo um assunto tabu no esporte.

"Como atleta você treina seu corpo; saltos, corridas, trabalho aeróbico. Mas mentalmente você tem que treinar igual, ou seja, ir a um psicólogo ou a um terapeuta emocional. Eu acho essencial no alto rendimento, porque sua cabeça vai a uma velocidade anormal.

"Atletas não são super-heróis, também temos muitos problemas e muitas vezes recorremos a profissionais, não apenas para melhorar o desempenho, mas para que nossas cabeças estejam claras e [estamos] preparados para fazer nosso esporte".

Saúde mental: um desafio para todos, incluindo atletas

Lidar com desafios de saúde mental não é fácil para ninguém – e os atletas querem que você saiba que eles passam pela mesma coisa.

“Você não pode evitar ativamente algo quando tem a ver com o lado mental das coisas, as emoções”, ressalta Shiffrin.

"Mas você pode direcionar para onde está focando sua mente ou no que você coloca sua atenção; as coisas que você decide são importantes para você."

A parceira de dança no gelo de Poirier, Piper Gilles, acrescentou: "A saúde mental para mim é um desafio contínuo.

"Podemos estar tão focados em todas as coisas ruins e em todas as coisas que precisamos melhorar e não refletir realmente em todas as coisas que somos capazes e é um desafio para sempre.

"Acho que apenas aprender quando você está em seus altos e quando está em seus baixos e como voltar a um meio-termo é o mais importante."

Fazer uma pausa e pensar positivamente para ajudar na recuperação da saúde mental

Kagiyama Yuma, do Japão, campeão de patinação artística masculina dos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude de Lausanne 2020, diz que aprendeu a controlar seus nervos de competição e seu humor deprimido para ajudar sua saúde mental a se recuperar.

Seu conselho é conhecer os próprios limites.

“Fazer uma pausa é importante quando você não está em boas condições”, disse Kagiyama. "Eu fiz uma pausa uma vez e surpreendentemente pude ver na minha cabeça o que estava errado e o que precisava ser consertado.

"Se você está sempre 100%, pode exagerar. Em algum momento, você precisa descansar e restaurar sua energia."

A atleta de inverno japonesa Takanashi Sara, a principal saltadora de esqui feminina de seu país, disse que tenta sempre pensar positivamente, mesmo quando está lutando.

A saúde mental é um "ponto focal de ser um atleta", explicou ela.

"Todo mundo pode se sentir chateado e impaciente. Mesmo que eu me sinta assim, treinei o máximo possível para ter confiança em mim mesmo. Sempre fiz o melhor que pude e pensei positivamente ... e descobri algumas coisas boas ao longo do caminho. "

Saúde mental: a chave para uma vida feliz

Gilles e outros atletas disseram que, para eles, encontrar a abordagem certa para a saúde mental era importante para que se sentissem satisfeitos com sua vida – relacionada ao esporte ou não.

"Você tem que estar mais consciente de si mesmo, você nunca vai ser perfeito. Ninguém nunca vai ser perfeito", disse Gilles.

"O desafio é tentar descobrir o que é perfeito o suficiente para ser funcional e feliz e sentir que está curtindo a vida."

O canadense não é o único a se sentir assim.

“A saúde mental molda você no ser humano que você é”, disse a patinadora de velocidade americana Brittany Bowe.

A medalhista de bronze do PyeongChang 2018 disse que tenta não se preocupar muito com suas performances, boas ou ruins, e prefere se concentrar em sua saúde mental.

"Se você não tem essa estabilidade mental e boa saúde mental, não importa o que você faça aqui na pista.

"Vencer aqui dura muito pouco, mas viver um estilo de vida feliz e saudável é o que importa."

O saltador de curling suíço Peter de Cruz, que conquistou o bronze da equipe masculina em 2018, disse para ele que ser mentalmente saudável veio de um lugar de amor próprio.

"Saúde mental para mim, a felicidade vem em primeiro lugar através do amor e aprender a amar a si mesmo, e se sentir bem consigo mesmo em sua própria pele e corpo", refletiu.

"É realmente sobre conhecer a si mesmo e tudo o que você tem, o que você pensa, o que quer que você faça, seja feliz com isso, na verdade."

E, ao que parece, até atletas de elite recorrem às mesmas coisas que nós para permanecerem felizes.

"Saúde mental é paz e estabilidade para mim", disse a patinadora artística Aleksandra Boikova. "O que me ajuda a restaurá-lo?

"Provavelmente gatos na Internet. Todos os dias eu assisto gatos na Internet."

ASSINE PARA PARTICIPAR AINDA MAIS!

Receba notícias de snowboard, vídeos, destaques dos Jogos Olímpicos de Inverno e muito mais.