Foto: © 2019

O que e quem é um refugiado?

Após a estreia da Equipe Olímpica de Refugiados do COI na Rio 2016, uma segunda equipe Olímpica será criada em Tóquio 2020. Aqui, explicamos quem é um refugiado, exatamente.

Em um mundo de quase 8 bilhões de pessoas, uma pessoa é deslocada de sua casa a cada dois segundos.

Desses deslocados, alguns são refugiados, conhecidos como "alguém que não pode ou não quer retornar a seu país de origem devido a um medo bem fundamentado de ser perseguido por motivos de raça, religião, nacionalidade, filiação a um determinado grupo social ou opinião política", de acordo com a Convenção dos Refugiados de 1951.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, mais de 25 milhões de pessoas se enquadram nessa categoria desde 2017.

Enquanto fogem da perseguição, os refugiados são protegidos pelo direito internacional e não devem ser expulsos ou devolvidos à nação da qual escaparam, onde sua vida ou liberdade podem estar em risco.

Refugiados - um quadro global

Enquanto quase 6 milhões de refugiados são atendidos em 60 campos no Oriente Médio pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA), um número crescente de refugiados também vive em áreas urbanas ao redor do globo.

É estimado que metade dos refugiados do mundo hoje are under the age of 18 e, desde os anos 90, o número de refugiados que puderam voltar para casa diminuiu: De 1,5 milhões por ano para cerca de 385.000/ano.

Os refugiados podem receber asilo em países estrangeiros, como alguns dos membros da Equipe Olímpica de Refugiados fizeram.

Exemplos da vida real: Histórias de Atletas Refugiados

Os Atletas Refugiados Bolsistas do COI dão exemplos da vida real dos diferentes tipos de histórias que cada refugiado tem para contar.

O boxeador Farid Walizadeh, de 22 anos, é originalmente do Afeganistão, e deixou seu país aos sete anos de idade após ter sido separado de sua família. Ele aprendeu a boxear no Centro da Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) em Istambul e encontrou refúgio em Lisboa, Portugal, em 2012, onde ele ainda vive.

"Quando eu tinha nove anos, estava numa prisão por ter viajado de forma ilegal para a Europa - e a vida era muito mais difícil", disse ao Olympics.com. "Mas mesmo assim, quando criança, eu estava tentando ver o lado positivo disso. Eu desenhava e pintava para tentar passar o tempo, porque em cada escuridão existe uma luz. Todos os dias chega a noite, mas no dia seguinte a luz voltará".

Khaoula, que chegou à Suíça, vindo do Oriente Médio em 2014, é uma jovem mãe que fez a transição de sua paixão inicial pelo esporte do karatê para o tiro ao alvo, com a ajuda do tricampeão Olímpico de espingardas de ar masculino Niccolo Campriani..

"Ela vê esperança; ela é uma das poucas que a vê e acredita nisso", disse Campriani.

Um dia típico para Khaoula consiste em: "Eu preparo primeiro meu filho [para o berçário]". Depois vou à escola por meio dia; felizmente, a escola é bastante flexível. Às vezes tenho alguns estágios e estou trabalhando na administração metade do dia. Os outros 50 por cento [do dia], estou treinando. Depois pego meu filho, brinco com ele, dou o jantar e levo ele para dormir. Depois disso, ou faço alguns trabalhos de casa para a escola ou alguns exercícios adicionais para atirar. É muito, mas tento ficar muito positiva e continuar".

Originária do sul do Sudão, Chajen Dang Yien é uma corredora dos 800m que passou anos longe de sua família em um campo de refugiado queniano. Ela gostaria de eventualmente trabalhar em jornalismo, assim como fazer trabalho de defesa da paz através do esporte.

Com apenas 19 anos, Yien foi motivada pela Equipe Olímpica de Refugiados que viu competindo na Rio 2016.

"Eu assisti eles na TV e pensei que eles mostraram muito ao mundo", Chajen disse. "Eles mostraram que os refugiados podem fazer qualquer coisa". Eles podem fazer um impacto. Eles mostraram que se você tentar algo pode ter sucesso, que nada pode te impedir".

Atletas Refugiados - Retribuição

Embora a participação ativa no esporte e na comunidade seja algo pelo qual os refugiados também lutam, existe muitos exemplos de refugiados retribuindo de diversas maneiras - usando o que eles tem para tornar ainda melhor aqueles ao seu redor.

A nadadora da equipe Olímpica de Refugiados do COI da Rio 2016, Yusra Mardini agora reside e treina em Berlim, onde ela originou e recebeu o Campo de Natação Yusra Mardini, no qual 30 crianças refugiadas - muitas com medo da água - passaram duas semanas aprendendo na piscina.

"A idéia era oferecer um projeto de baixo custo para trazer essas crianças em contato com o esporte", disse. "Nadar é uma habilidade importante na sociedade, então eu esperava poder ajudar as crianças a aprender - e talvez algumas delas tenham encontrado sua nova paixão, como a natação é para mim".

Outros exemplos incluem Farid Walizdeh, um boxeador de 22 anos, originalmente do Afeganistão e agora treinando em Portugal. Ele falou a um grupo de jovens que tinham chegado a Portugal sobre as adversidades que tinham enfrentado e como eles ainda podem perseguir seus sonhos.

E o lutador Amir Al-Awad, que está sediado em Alexandria, no Egito, dirige sua própria academia, a Academia de Esportes da Síria, que ajuda a diversificada comunidade de refugiados com aulas de kickboxing, taekwondo, karatê, ginástica, autodefesa, Zumba e luta livre.

Veja mais histórias como estas:

Sanda Aldass

Ali Noghandoost

Yiech Pur Biel