Foto: 2016 Getty Images

Conheça Kimia Alizadeh: a medalhista Olímpica refugiada que luta pela igualdade

A taekwonda foi comemorada no Irã quando ganhou os Jogos Olímpicos da Juventude e o bronze no Rio 2016, mas fugiu em 2020 devido às condições de "opressão".
Andrew Binner

A atleta de Taekwondo Kimia Alizadeh se tornou uma estrela do esporte internacional desde o início mais improvável da vida.

Ela nasceu em uma vida modesta como filha de um fabricante de toalhas de mesa em Karaj, Irã, mas sempre desejou "viver uma vida diferente, não como os outros", disse ela ao Financial Times.

Um dia, quando tinha sete anos, Alizadeh entrou no ginásio de sua cidade, que só oferecia aulas de taekwondo. Demorou, mas ela acabou aprendendo a amar a arte marcial e, em um ano, era campeã nacional.

Sua fama regional aumentou para fama nacional em 2014, quando ganhou uma medalha de ouro no Campeonato Mundial Junior de Taekwondo de 2014. Mais tarde naquele ano, ela se tornou a campeã dos Jogos Olímpicos da Juventude em Nanjing, antes de derrotar Jade, duas vezes medalhista de ouro Olímpica britânica. Jones a caminho do bronze no Campeonato Mundial de Taekwondo de 2015 em Chelyabinsk, Rússia.

Essas conquistas geraram grandes expectativas nos Jogos Olímpicos da Rio 2016 e, mais uma vez, ela não decepcionou.

Aos 18 anos, ela se tornou a medalhista Olímpica de seu país (conquistando o bronze na categoria de 57 kg). Ela foi saudada como uma heroína em casa e recebeu o apelido de "tsunami" devido às suas poderosas façanhas.

"Estou muito feliz por todas as mulheres iranianas, pois é a primeira medalha de uma mulher iraniana nos Jogos, e espero que nos próximos Jogos Olímpicos consigamos a de ouro", disse Alizadeh na época.

Um ano depois, ela ganhou a prata no Campeonato Mundial de 2017 em Muju, Coreia do Sul, com sua estrela brilhando cada vez mais.

Mas em Janeiro de 2020, tudo mudou. A atleta nascida em Karaj fugiu de seu país natal, chamando a si mesma de "uma das milhares de mulheres oprimidas no Irã" em uma postagem do Instagram.

Ela também sugeriu que os atletas iranianos foram explorados nos bastidores, dizendo: "Eu me vesti como você quis. Repeti cada frase que você pediu. Não se trata de mim, não é sobre nós. Somos apenas ferramentas."

Funcionários do governo a denunciaram rapidamente e ela começou a receber ameaças por meio das redes sociais.

Alizadeh buscou refúgio em Eindhoven, na Holanda, antes de viajar para Hamburgo na esperança de competir pela União Alemã de Taekwondo no futuro.

Hoje a atleta de artes marciais mora em Nuremberg com seu marido, onde continua trabalhando para a naturalização e uma vaga nas Olimpíadas de Tóquio 2020.

Desde a fuga de Alizadeh, a Associação de Taekwondo do Irã se recusou a permitir que ela representasse outra nação, o que significa que ela não competia internacionalmente desde 2018.

No entanto, no caso improvável de sua naturalização alemã ser processada antes das Olimpíadas, ela ainda poderá competir.

Como bolsista do Comitê Olímpico Internacional para atletas refugiados ela se beneficia de fundos extras para treinamento e da oportunidade potencial de competir pela Equipe Olímpica de Refugiados do COI em Tóquio 2020.

“Espero ganhar as medalhas nas Olimpíadas e no Campeonato Mundial”, ela continuou ao FT.com. “Meus desejos não mudaram, mas se transformaram em metas alcançáveis.”

Aos 21 anos, ela também tem boas chances de competir nas Olimpíadas de Paris 2024 por seu novo país.

Mas seja qual for a bandeira que ela carregue em seu taekwondo dobok, a atleta de Karaj disse que permaneceria "uma filha do Irã" onde quer que estivesse, e que continuaria a lutar pela igualdade, para que todas as mulheres pudessem seguir seus sonhos.