Jamal Abdelmaji Eisa Mohammed espera completar sua longa jornada a partir de Darfur

Mohammed fugiu da guerra no oeste do Sudão e encontrou refúgio em Israel quando adolescente. Agora ele espera concorrer à Equipe Olímpica de Refugiados do COI em Tóquio.
Rory Jiwani

Onze anos depois de fugir de Darfur para Israel, devastado pela guerra, EJamal Abdelmaji Eisa Mohammed espera competir pela Equipe Olímpica de Refugiados do COI em Tóquio 2020.

Para Mohammed, que completa 25 anos em Junho, refugiar-se em Israel permitiu-lhe sustentar sua família no Sudão e descobrir seu talento para a corrida de longa distância.

Em 2017, ele ganhou uma Bolsa de Atleta Refugiado do COI para treinar em tempo integral, e seu aprimoramento contínuo o levou a participar do Campeonato Mundial de Cross Country 2019.

Mais tarde naquele ano, Mohammed foi um dos seis membros da Equipe de Atletas Refugiados no Campeonato Mundial de Atletismo em Doha.

Ele terminou em 17º de 20 em sua bateria de 5000m, que é lembrado pelo espetacular ato de espírito esportivo do Braima Suncar Dabo da Guiné-Bissau, que quase carregou Jonathan Busby de Aruba na linha de chegada.

Mohammed conseguiu se manter bastante ativo apesar da pandemia, correndo em corridas de 1500m a 10km na estrada no último ano e meio.

O sudanês é um dos 37 atletas refugiados do COI que competem pela equipe Olímpica de Atletas Refugiados do COI a ser anunciada em Junho.

"Lembre-se de que você sempre fica mais forte depois de uma reviravolta." - Jamal Abdelmaji Eisa Mohammed

De Darfur a Tel Aviv e além

Em 2003, a guerra estourou na região de Darfur, no oeste do Sudão.

Naquele outono, o pai de Mohammed foi morto quando membros da milícia Janjaweed, apoiada pelo governo, invadiram sua aldeia.

Sete anos depois, após uma série de tentativas fracassadas e contra a vontade de sua mãe, ele finalmente conseguiu cruzar a fronteira com o Egito.

Depois de uma semana viajando para o norte do país, ele e três outros refugiados chegaram ao deserto do Sinai, onde pagaram cerca de US $ 200 para ajudá-los a cruzar a fronteira israelense.

Eles entraram em Israel três dias depois, meses antes da construção da cerca da fronteira Egito-Israel, que tornaria futuras viagens desse tipo impossíveis.

“Quando você vê coisas terríveis acontecerem com você em uma idade jovem - coisas que são realmente muito mais difíceis do que você pode estar passando no momento - e você superou elas, torna-se mais fácil superar os obstáculos. vou passar por essas coisas também. " - relatou Jamal Abdelmaji Eisa Mohammed em uma conversa ao Haaretz

Antes do início de sua nova vida, Mohammed ficou em um campo de detenção por cerca de três semanas, até que recebeu uma passagem de ônibus só de ida para a segunda maior cidade do país, Tel Aviv.

Ele disse ao World Athletics, "Eu nem sabia como ou onde sair. Eu fiquei no ônibus por algumas horas, e então outro ônibus veio e eu apenas segui algumas pessoas para fora."

Depois de seguir outros emigrantes africanos a um parque na cidade, outro emigrante sudanês o levou para um apartamento de um quarto, onde ele ficou com outros sete homens.

"Foi uma loucura, havia apenas uma cama! Mas pelo menos eu estava com outras pessoas e estávamos todos na mesma situação", disse Mohammed ao jornal Haaretz.

Rapidamente, foi contratado por um local para trabalhar como pintor de paredes, embora não tivesse experiência na área.

Com um aprendizado rápido, Mohammed logo pôde enviar dinheiro para sua mãe e irmãos em um campo de refugiados em Darfur.

Enquanto jogava futebol, ele também descobriu o Alley Runners, um clube fundado para dar às crianças carentes de Tel Aviv a chance de praticar atletismo.

Mohammed relatou a CNN Sport, “Eu tinha acabado de chegar a Israel e um dos meus melhores amigos me disse: 'Você pode correr atrás da bola por três ou quatro horas. Acho melhor você começar a correr com esta equipe de Corrida de Alley.'

Focado tanto no bem-estar social e educacional de seus pupilos quanto nas realizações atléticas, o Alley Runners agora tem cerca de 100 atletas - de acordo com a World Athletics - mais de uma dúzia representando Israel em competições regionais e europeias.

Entre eles está Adisu Guadia, de 18 anos, que ganhou 3.000m de ouro no Festival Olímpico da Juventude Europeia de 2019 em Baku.

A pandemia global e o subsequente adiamento dos Jogos de Tóquio 2020 permitiram que Mohammed retribuísse ao clube que tanto fez por ele.

Ele completou seus estudos de massagem esportiva ano passado,e agora realiza massagem terapêutica no Alley Runners.

"Este clube significa muito para mim, eles são como a minha família. Fizeram de tudo para ajudar a tornar o meu sonho realidade". - Jamal Abdelmaji Eisa Mohammed falando ao World Athletics sobre Alley Runners

Hoje, Mohammed tem uma vida estável, tanto familiar quanto profissional, morando com Hili Avinoam, uma voluntária do Alley Runners, em troca da qual ela trabalha como faxineira e zeladora do prédio.

A pandemia fez com que ele passasse mais tempo com Avinoam, que ele chama de "mãe", e suas duas filhas, que adoram estar com seu "irmão".

Avinoam disse ao Haaretz, "Olhe para ele, ele pegou os limões mais amargos que a vida pode oferecer e fez limonada com eles. Eu também acho que aqueles em sua vida são realmente os mais sortudos. Para mim, ele aumentou minha família e melhor. Ele se senta com as meninas e joga jogos de tabuleiro com elas, ele joga futebol com a mais nova das minhas filhas."

"Ele comemora o feriado judaico conosco e nós celebramos o Ramadã com ele. Estar com ele é muito divertido - ele está sempre otimista e alegre. Eu o amo, minhas filhas e amigos o amam, e ele se conecta com meus pais como se eles fossem os avós dele."

Depois de competir em dois campeonatos mundiais de atletismo, Mohammed agora quer chegar aos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Também residente em Tel Aviv, o refugiado eritreia Tachlowini Gabriyesos, que alinhou para os 5.000m do Mundial de Doha na equipe de refugiados ao lado de Mohammed, experimentou a mesma jornada pelo deserto do Sinai.

Enquanto Gabriyesos pega a estrada para a maratona, Mohammed tem como meta os 10.000 metros na pista.

"É meu maior sonho competir nas Olimpíadas com todos os melhores atletas, todos os atletas famosos. É um grande, grande sonho. Espero que possa se tornar realidade." - Jamal Abdelmaji Eisa Mohammed falando para a CNN