Foto: 2016 Getty Images

Golfe Olímpico na Tóquio 2020: cinco principais coisas a saber

Quem são os melhores jogadores de golfe? Quando e onde acontecerá a competição de golfe Olímpico nos Jogos em 2021? Qual é a história do golfe nas Olimpíadas? Descubra aqui.
Rory Jiwani

O Golfe é um dos 33 esportes dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 que acontecerão em 2021.

Quem são os atletas em destaque? Quando acontecerá a competição e onde será realizada? Quer saber mais sobre a história Olímpica do esporte?

Não procure mais. Veja o nosso guia com as principais coisas que você deve saber sobre o golfe Olímpico.

Os melhores jogadores Olímpicos de golfe na Tóquio 2020

Duas nações dominam o mundo do golfe às vésperas das Olimpíadas em 2021 - os Estados Unidos (masculino) e a República da Coreia (feminino).

Com um máximo de quatro jogadores por país disputando em Tóquio, a corrida por vagas é intensa, para se dizer o mínimo.

Mais da metade dos 20 melhores jogadores (masculino) são americanos, e apenas o número um do mundo e vencedor do Masters de 2020, Dustin Johnson, garantiu a qualificação.

Em um primeiro momento, Johnson optou por não disputar a Tóquio 2020 para se concentrar em seus compromissos com o PGA Tour, mas, com o adiamento dos Jogos por um ano até 2021 por causa da pandemia de coronavírus, ele optou por reconsiderar.

Após seu segundo lugar no US Open, os preparativos de 'DJ' para o Masters de 2020, em novembro, foram longe do ideal, com o atleta tendo que passar duas semanas em isolamento em um hotel de Las Vegas depois de testar positivo para a COVID-19.

Apesar de não poder praticar, Johnson garantiu o segundo lugar no Houston Open antes de conquistar seu primeiro Green Jacket em Augusta por cinco tacadas de vantagem.

Enquanto dois Majors são um retorno um tanto decepcionante para um jogador de qualidade indiscutível, a estrela do Estado da Flórida não tem medo de nenhum campo e parece estar pronto para a disputa onde quer que jogue.

Dustin Johnson on his way to victory at the 2020 Masters at Augusta.
Foto: 2020 Getty Images

É quase certo que o vencedor do PLAYERS deste ano, Justin Thomas, se juntará a Johnson devido à sua alta média de pontuação, deixando apenas mais duas vagas disponíveis.

Collin Morikawa, Xander Schauffele e o atual campeão do US Open, Bryson DeChambeau estão na liderança com o atleta Olímpico da Rio 2016 Patrick Reed logo atrás.

Brooks Koepka, dono de quatro grandes triunfos nos últimos quatro anos, precisará de algumas performances fortes se quiser garantir seu ticket para a Tóquio.

O jogador de 30 anos de idade está posicionado em 11º lugar no ranking, mas, após uma queda em março, ele precisou fazer uma cirurgia no joelho e perdeu seu lugar no Masters em sua primeira tentativa de retorno.

Um homem que definitivamente não vai conseguir uma vaga é Tiger Woods.

O golfista de 45 anos de idade conseguiu recuperar seu sucesso ao acabar com sua seca de 11 anos com um triunfo memorável no Masters 2019.

Mas em fevereiro, em decorrência de um acidente de carro em alta velocidade na Califórnia, ele quebrou ossos nas duas pernas, e ainda não se sabe quando ele irá retornar ao golfe competitivo.

Atual campeão Olímpico, Justin Rose mostrou não ter ficado para trás ao liderar a primeira rodada do Masters deste ano, antes de terminar na sétima posição, atrás de Matsuyama Hideki, o primeiro grande vencedor masculino do Japão.

Com isso, o inglês ainda terá muito trabalho pela frente se quiser ser parte da equipe da Grã-Bretanha com Tyrrell Hatton, Matthew Fitzpatrick, Paul Casey, Tommy Fleetwood e o ressurgente Lee Westwood, todos à sua frente no ranking mundial.

Hatton é atualmente o único britânico entre os 15 primeiros, mas se Fitzpatrick, atualmente em 16º lugar, conseguir subir, haverão quatro jogadores britânicos em Tóquio em vez de três.

Matsuyama vai liderar o desafio em casa e talvez Kanaya Takumi junte-se a ele em campo.

O melhor jogador não americano classificado nos rankings é o espanhol Jon Rahm, em terceiro lugar.

Um dos maiores batedores do jogo, o jogador de golfe basco venceu dois eventos do PGA Tour em 2020, incluindo a vitória sobre Johnson em um playoff no BMW Championship, em agosto, graças a um ultrajante e monstruoso birdie putt.

Rahm, que se tornou pai em abril, tem sido o modelo de consistência desta temporada, com seis em dez melhores finalizações em oito inícios.

As coreanas ocupam oito das 20 primeiras posições no ranking mundial feminino, incluindo as três primeiras - Ko Jin-young, a atual campeã Olímpica Inbee Park e Kim Sei-young – presenças quase certas na Tóquio.

Depois de passar em casa, na Coreia, a maior parte de 2020, Ko mostrou porque ela é a melhor do mundo com a vitória no fim da temporada do CME Group Tour Championship, depois de terminar em empate em segundo lugar atrás de Kim A-lim em Houston.

Ko, 25, teve seu grande momento em 2019, com suas primeiras vitórias no LPGA Tour na América do Norte e com a conquista de dois títulos importantes, o ANA Inspiration e o Evian Championship.

Ko Jin-young celebrates victory in the 2020 CME Group Tour Championship
Foto: 2020 Getty Images

Tudo indica que Kim Sei-young também tem seu lugar reservado na Tóquio depois de um brilhante 2020, em que ela abandonou sua fama de 'melhor jogadora sem um grande título’ no Campeonato Feminino PGA, na Filadélfia.

Assim como Tiger Woods, ela gosta de usar vermelho na rodada final, embora no caso dela seja a metade inferior ao invés da superior.

Ela também gosta gosta de ouvir BTS, estrelas do KPOP para se motivar durante os torneios, e foi empatada em terceiro lugar no ANA Inspiration antes de dividir o segundo lugar no Lotte Championship.

Kim Sei-young putts during the final round of the 2020 CME Group Tour Championship
Foto: 2020 Getty Images

Park começou 2021 em impecável estilo, com uma vitória por cinco tacadas de vantagem no KIA Classic, em San Diego, em março.

Na semana seguinte, ela e Kim empataram em sétimo lugar no primeiro major do ano, o ANA Inspiration, atrás da vencedora surpresa da Tailândia, Patty Tavatanakit.

Já com o seu status assegurado no Hall of Fame, Park, de 32 anos, continua ansiosa para somar títulos à sua conta de sete majors e um ouro Olímpico conquistado no retorno do golfe no Rio 2016.

Inbee Park poses with her trophy for winning the 2021 KIA Classic
Foto: 2021 Getty Images

Com apenas 21 anos de idade, é quase certo que Tavatanakit faça sua estreia Olímpica em Tóquio, já que seu sucesso no ANA Inspiration fez com que saltasse no ranking da 103ª posição para a 13ª.

Junto a ela é esperada a presença das irmãs Jutanugarn, as duas vezes vencedoras de major Ariya e Moriya.

As coreanas venceram três dos quatro majors de 2020 – após o cancelamento do Evian Championship -, sendo a alemã Sophia Popov a inesperada vencedora do British Open feminino.

Popov que contou ao LPGA.com como lutou por vários anos contra a doença de Lyme (transmitida por carrapatos), estará em Tóquio com a atleta Olímpica da Rio 2016 Caroline Masson, também representando a Alemanha entre as 60 mais fortes.

Ex-número um do mundo, a neozelandesa Lydia Ko, conquistou sua primeira vitória do LPGA Tour em três anos no Lotte Championship no Havaí, em abril.

Ko saiu do top 50 em agosto passado, mas a jovem de 24 anos de idade está voltando à sua melhor forma ao garantir o segundo lugar no ANA Inspiration - seu melhor resultado em major em quatro anos – junto ao triunfo no Havaí.

Lydia Ko (R) receives a hug from Nelly Korda after winning the 2021 Lotte Championship
Foto: 2021 Getty Images

Fora a Coreia, os Estados Unidos são a nação mais forte no golfe feminino, com Nelly Korda e Danielle Kang ocupando o quarto e quinto lugar no ranking mundial, e com a atleta Olímpica da Rio Lexi Thompson na oitava posição.

Korda é filha de um campeão do Aberto da Austrália, o tenista Petr Korda.

Aos 22 anos de idade, ela alcançou a segunda posição no ranking mundial graças às suas performances consistemente fortes em 2020 até que uma lesão nas costas a forçou em outubro a desistir do Campeonato Feminino PGA ainda na primeira rodada. Sua irmã mais velha, Jessica, está também perto de ficar entre as 20 melhores do mundo.

O irmão mais novo delas, Sebastian, acaba de se posicionar entre os 70 melhores do tênis e tem também uma chance de ir à Tóquio 2020.

Formato da competição de Golfe Olímpico na Tóquio 2020

Os torneios de golfe masculino e feminino da Tóquio 2020 são eventos stroke play de 72 buracos com participação individual, ocorrendo ao longo de quatro rodadas em quatro dias consecutivos.

Serão 60 jogadores em cada competição, sem eliminações ou cortes no meio do caminho.

Nas duas últimas rodadas, os jogadores jogam a partir de sua ordem no placar, com os líderes jogando a primeira tacada no grupo final.

Se os jogadores com medalhas terminarem empatados após os 72 buracos, um playoff de três buracos decidirá os medalhistas antes de uma potencial morte súbita.

Programação do Golfe Olímpico na Tóquio 2020

Os eventos de golfe nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 em 2021 acontecem de 29 de julho a 7 de agosto. A competição masculina será de 29 de julho a 1º de agosto, com a competição feminina de 4 a 7 de agosto.

Competição masculina:

  • 29 de julho - Individual Stroke Play masculino – 1ª rodada
  • 30 de julho - Individual Stroke Play masculino - 2ª rodada
  • 31 de julho - Individual Stroke Play masculino - 3ª rodada
  • 1º de agosto - Individual Stroke Play masculino – 4ª rodada

Competição feminina:

  • 4 de agosto - Individual Stroke Play feminino - 1ª rodada
  • 5 de agosto - Individual Stroke Play feminino - 2ª rodada
  • 6 de agosto - Individual Stroke Play feminino - 3ª rodada
  • 7 de agosto - Individual Stroke Play feminino - 4ª rodada

Sede do Golfe Olímpico da Tóquio 2020

O golfe em Tóquio 2020 será realizado no Campo Leste do Kasumigaseki Country Club, um clube privado em Saitama, 50 km a noroeste de Tóquio.

O clube foi fundado em 1929 e sediou a Copa do Mundo de Golfe (então chamada Canadá Cup) em 1957, a primeira vez que o Japão foi anfitrião do evento.

O Campo Leste foi redesenhado e alongado em 2016 para oferecer um maior desafio aos melhores golfistas do mundo.

Em março de 2017, o clube decidiu aceitar sócias mulheres, e foi informado pelo COI de que, se isso não fosse feito, o torneio seria transferido para um outro local alternativo.

Em novembro daquele ano, o então presidente dos Estados Unidos Donald Trump jogou golfe em Kasumigaseki com o primeiro-ministro japonês, Abe Shinzo.

História do Golfe Olímpico

Os Jogos de Tóquio 2020 serão o quarto torneio Olímpico de golfe.

O esporte não fez parte dos primeiros Jogos Olímpicos modernos em 1896, mas foi incluído quatro anos depois no programa de Paris.

O torneio masculino foi um evento stroke play de 36 buracos, com as mulheres jogando apenas nove buracos no campo dentro do autódromo de Compiègne.

O americano Charles Sands ganhou o ouro masculino com rodadas de 82 e 85.

Margaret Abbott, nascida em Calcutá, Índia, completou em 47 tacadas e se tornou a primeira mulher americana a ganhar um título Olímpico. Sua mãe Mary também competiu.

Abbott, uma golfista de 23 anos, na época estudava arte em Paris com Degas e Rodin, recebeu uma taça de porcelana em vez de uma medalha de ouro e pensou que participava de um torneio comum, e não os Jogos Olímpicos.

De acordo com o Team USA, não foi até muito depois de sua morte, em 1955, que seus filhos foram informados sobre sua conquista.

Não houve torneio feminino em St Louis 1904, sendo o golfe apenas um torneio individual de match play masculino - onde os jogadores ganham, perdem ou dividem os buracos em vez de pontuar - e um evento por equipe masculino onde os resultados de 10 jogadores em uma competição de 36 buracos foram somados.

O canadense George Lyon, um ex-jogador de críquete de grande reputação, derrotou o americano Chandler Egan por 3&2 (três buracos de vantagem com dois em jogo) e levou o ouro individual.

Egan foi ainda melhor no evento por equipe, já que seu Western Golf Association conquistou o ouro à frente de outras duas equipes dos Estados Unidos, a Trans-Mississippi Golf Association e a United States Golf Association.

Esse foi o último evento de golfe nos Jogos Olímpicos até seu retorno na Rio 2016.

Justin Rose rapidamente deixou sua marca com o primeiro hole-in-one da história Olímpica em sua primeira rodada no campo de golfe da Barra da Tijuca.

Rose então derrotou seu companheiro de equipe da Ryder Cup e campeão do Aberto de 2016 Henrik Stenson em uma emocionante rodada final e levou o ouro para a Grã-Bretanha e Matt Kuchar, dos EUA, o bronze.

O campeão do US Open de 2013, que disputa uma das vagas da Grã-Bretanha em Tóquio, disse depois, : "Meu Deus, isso foi melhor do que qualquer coisa que já ganhei. Foi o melhor torneio da minha vida".

"Parecia uma mistura de um torneio de golfe com carnaval. Foi único, incrível!" - Justin Rose sobre a Rio 2016

O primeiro torneio de golfe Olímpico feminino em 116 anos foi também emocionante.

Depois que a líder da primeira rodada, Ariya Jutanugarn, teve que deixar a competição por causa de uma lesão, Inbee Park assumiu o comando e fez uma excelente rodada final com 66 tacadas e venceu por cinco tacadas de vantagem a então número um do mundo da Nova Zelândia, Lydia Ko.

A chinesa Feng Shanshan ficou com o bronze.

Park vinha sofrendo com uma lesão no polegar esquerdo nas vésperas do torneio, mas se recuperou a tempo de conquistar o ouro.

A golfista de 32 anos de idade venceu uma única vez em 2020, mas uma série de cinco melhores finalizações fez com que ela voltasse ao terceiro lugar no ranking mundial a tempo de defender seu título Olímpico.